Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.774,48
    -352,71 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Polícia detém 14 em protestos contra prisão de rapper em Barcelona

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A polícia prendeu 14 pessoas, neste sábado (27), em Barcelona, em uma nova noite de distúrbios e vandalismo na cidade espanhola, após um protesto contra a detenção do rapper Pablo Hasél, preso por fazer críticas à monarquia. O protesto foi um dos mais violentos desde a detenção do rapper em 16 de fevereiro: os manifestantes destruíram agências bancárias, saquearam lojas, incendiaram uma viatura policial e atacaram um hotel. Antes dos episódios de violência, cerca de 2.000 pessoas usando máscaras e carregando faixas marcharam pela cidade para pedir a libertação de Hasél. A condenação dos atos foi quase unânime: do primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez ao presidente em exercício da região da Catalunha, o independentista Pere Aragonés, passando pela prefeita de Barcelona, Ada Colau. "Inaceitáveis os atos de vandalismo e violência esta noite em Barcelona", tuitou Pedro Sánchez. O único que não fez críticas à violência foi o pequeno partido independentista de extrema-esquerda CUP. Esta formação é crucial para a posse de um novo governo separatista na Catalunha após as eleições regionais de 14 de fevereiro e exige, em troca do apoio, a dissolução da unidade antidistúrbios da polícia. Os protestos começaram no dia 16 após a detenção do rapper de 32 anos, natural de Lérida (Catalunha), condenado a nove meses de prisão pela acusação de enaltecer o terrorismo. Em mensagens no Twitter e canções, o músico, que tem outros antecedentes penais, chamou de "mafioso" o rei emérito Juan Carlos I, elogiou pessoas envolvidas em atentados e acusou a polícia de matar e torturar migrantes e manifestantes. O caso provocou um debate sobre a liberdade de expressão na Espanha e detonou protestos de jovens em todo o país, especialmente violentos na Catalunha, onde quase 140 pessoas foram detidas. Mais de 200 artistas, incluindo o cineasta Pedro Almodóvar e o ator Javier Bardem, assinaram uma petição se opondo à prisão do rapper. O abaixo-assinado compara a Espanha a países como Turquia e Marrocos, onde artistas e opositores do governo vivem em risco iminente de detenção. O episódio também destaca as crescentes frustrações de muitos jovens espanhóis com a insegurança no emprego e a raiva contra o establishment político do país.