Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.172,93
    -4.438,43 (-8,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Polícia derruba esquema que vendia falsos resultados negativos de COVID-19

·1 min de leitura

Na última quinta-feira (5), a polícia prendeu sete pessoas acusadas de vender ilegalmente resultados falsos de COVID-19 com testagens negativas, no aeroporto internacional Charles de Gaulle, em Paris. As autoridades encontraram cerca de 200 certificados negativos falsificados. Basicamente, o embarque de passageiros em voos internacionais.

Dentre os acusados, constam seis homens e uma mulher, de 29 a 52 anos. Os supostos falsificadores já eram conhecidos no aeroporto Charles de Gaulle por trabalharem clandestinamente embalando bagagens. A acusação em si envolve "falsificação, uso de documentos falsos e cumplicidade em fraude", com direito a risco de condenação a cinco anos de prisão e uma multa de 375 mil euros (o equivalente a R$ 2,4 milhões). O julgamento acontece em março de 2021.

A ideia seria se aproveitar da obrigação de alguns viajantes apresentarem um teste negativo de COVID-19 para embarcar. Eles geravam o documento sob o nome de um laboratório existente, tanto de forma impressa, quanto eletrônica.

Polícia prende acusados de fornecer diagnósticos negativos de COVID-19 falsos (Imagem: fernando zhiminaicela/Pixabay)
Polícia prende acusados de fornecer diagnósticos negativos de COVID-19 falsos (Imagem: fernando zhiminaicela/Pixabay)

As investigações tiveram início em meados de setembro pela polícia de fronteiras, após a descoberta de um falso diagnóstico apresentado por um passageiro que pretendia embarcar para a Etiópia.

As operações fraudulentas eram realizadas majoritariamente em casos de pessoas que viajariam para a África. As autoridades contam que os acusados tinham mais de 200 certificados falsificados em seus telefones celulares, e que as falsificações teriam sido vendidas por até 300 euros (o equivalente a R$ 1.937).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos