Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.962,87
    +66,28 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Polícia cumpre mandados de prisão contra acusados de furtar combustível da Petrobras

·1 minuto de leitura
Dutos de combustíveis da Petrobras na região de Duque de Caxias (RJ)
Dutos de combustíveis da Petrobras na região de Duque de Caxias (RJ)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Polícia Civil do Rio de Janeiro lançou na manhã desta quarta-feira uma operação para cumprir mandados de prisão contra acusados de integrarem organização criminosa especializada em furtos de combustíveis de dutos da Petrobras na região.

Esse grupo, contra o qual foram emitidos sete pedidos de prisão, teria causado prejuízos para a estatal estimados em 1 milhão de reais, segundo comunicado da Polícia Civil.

A ação policial recebeu nome de "Operação Baú" porque os criminosos estariam transportando os combustíveis furtados em caminhões tipo baú adaptados, ao invés dos tradicionais caminhões-tanque, "buscando dissimular o produto furtado", disseram as autoridades.

Em junho, a unidade de logística da Petrobras, Transpetro, disse que registrou uma redução de 60% nos furtos em seus dutos em São Paulo após investimentos anunciados para combater esse tipo de crime. Na época, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que os furtos custavam à Transpetro mais de 150 milhões de reais por ano.

A Polícia Civil disse que "vem intensificando ações de inteligência" contra os grupos que atuam com esses crimes e alertou sobre a "periculosidade" dos envolvidos nas atividades.

Segundo os policiais, o grupo alvo dos mandados de prisão nesta quarta-feira usava armas de fogo durante os furtos e ainda atuava em conjunto com "batedores", que iam à frente dos caminhões-baú após os crimes para avisarem sobre eventual presença de fiscalização nas estradas.

Procurada, a Petrobras não pôde responder de imediato a pedidos de comentário sobre a operação policial.

(Por Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro, texto de Ana Mano e Luciano Costa)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC