Mercado fechará em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    109.076,26
    +1.246,53 (+1,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.879,05
    -456,46 (-0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,70
    +0,56 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.887,50
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    22.958,91
    -23,59 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    529,01
    -7,88 (-1,47%)
     
  • S&P500

    4.118,75
    -45,25 (-1,09%)
     
  • DOW JONES

    33.951,14
    -205,55 (-0,60%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.549,25
    -227,50 (-1,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6002
    +0,0231 (+0,41%)
     

Polícia Civil do Rio quer programa para rastrear criptomoedas

Imagem de um bitcoin no computador
Imagem de um bitcoin no computador

A Polícia Civil do Rio de Janeiro demonstrou o interesse público em adquirir um programa para rastrear criptomoedas, colocando a meta em seu Plano Estadual de Redução de Letalidade Policial.

Assinada pela Secretaria de Estado da Polícia Civil (SEPOL), por meio do secretário Fernando Albuquerque, a medida foi anunciada na última quinta-feira (29) e entrou em vigor na mesma data.

Assim, a PC-RJ deve começar em 2023 acompanhando os dados em três eixos de atuação, sendo o de Recursos Humanos, Recursos Materiais e Procedimentos Administrativos e Operacionais.

Polícia Civil do Rio pretende adquirir programa de rastreio de criptomoedas

Um dos indicadores anunciados na última quinta tem relação com os recursos materiais utilizados pela polícia civil carioca.

O objetivo principal é o de "aprimorar o enfrentamento às estruturas do crime organizado". Além disso, a proposta pretende "desarticular organizações criminosas pelo seu esvaziamento financeiro".

Com isso, a SEPOL traçou a ação estratégica de disponibilizar recursos tecnológicos e
acesso a dados com o intuito de ampliar as ferramentas de combate à corrupção, à lavagem de dinheiro e ao crime organizado.

O indicador acompanhado pela ação envolve a aquisição de softwares para análise
de crimes envolvendo criptomoedas.

De acordo com o Diário Oficial do Estado do Rio, o programa deve ser encaminhado para o Departamento-Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR) da SEPOL.

Aquisição de software para uso semestral

Segundo consta em publicação oficial, a concretização da aquisição de software que atenda às demandas do DGCOR para análise de crimes envolvendo criptomoedas deve ocorrer em períodos semestrais.

Polícia Civil do Rio deve começar a rastrear criptomoedas para combate ao crime organizado
Polícia Civil do Rio deve começar a rastrear criptomoedas para combate ao crime organizado

Recentemente, vale lembrar, a Polícia Civil do Rio participou de várias operações envolvendo criptomoedas. Uma das maiores foi contra a estrutura do "Faraó dos Bitcoins", em Cabo Frio, suspeito de criar um possível grupo de extermínio para eliminar a concorrência mediante uso da violência.

Além dessa investigação contra um grande golpe de pirâmide, outras mais ocorreram no Estado do Rio de Janeiro.

A capital carioca deve adotar o pagamento de impostos com criptomoedas em breve, o que deve tornar maior o uso do instrumento financeiro no Estado. De acordo com um estudo recente, os crimes envolvendo criptomoedas crescem em simultâneo ao crescimento das transações lícitas.

De qualquer forma, a Polícia Civil do Rio não divulgou nomes de programas que rastreiam criptomoedas em publicação oficial. Assim, não está claro se algum software está em uso pela autoridade, ou se o plano é começar em 2023 a monitorar transações suspeitas.

Por fim, a criação das metas e prazos de combate a crimes no Rio devem facilitar o combate ao crime organizado, assim como seu monitoramento.

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.