Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.916,30
    +507,20 (+1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Polícia Civil encaminha para o STF pedido de investigação de Joice Hasselmann contra senador

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O delegado-chefe da Polícia Civil do Distrito Federal encaminhou nesta quarta-feira para o Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de investigação feito pela deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) contra o senador Styvenson Valentim (Podemos-RN). O envio para o Supremo foi feito por "ausência de atribuição investigativa" da polícia.

Na ocorrência registrada pela Polícia Civil, Joice acusa Styvenson de atentar contra a sua honra durante uma live feita em uma rede social. Na transmissão, em resposta a um participante que comentou sobre as lesões sofridas pela deputada, o senador teria dado a seguinte resposta: "Aquilo ali, das duas uma. Ou duas de quinhentos (Styvenson leva as mãos à cabeça, fazendo chifres) ou uma carreira muito grande (inspira, como se cheirasse cocaína). Ai ficou doida e pronto... saiu batendo".

O STF é o foro competente para a análise de questões envolvendo senadores. Por ora, o pedido está com presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

Joice Hasselmann relatou ter sido vítima de uma agressão na noite do dia 17 de julho. Ela afirma que assistia a uma série em seu apartamento funcional, em Brasília, quando teve um lapso de memória e acordou no dia seguinte sobre uma poça de sangue, sem se lembrar o que tinha acontecido. A deputada sofreu cinco fraturas na face e uma na coluna.

A agressão é investigada pela Polícia Legislativa e pela Polícia Civil do Distrito Federal. Inicialmente, a parlamentar disse que foi vítima de um ataque e, à Polícia Legislativa e ao Ministério Público, apontou "duas pessoas suspeitas", que preferiu não nominar e disse apenas que um deles seria um parlamentar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos