Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.779,16
    -1.123,21 (-3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Polícia Civil corrige número de óbitos em operação no Jacarezinho; divulga lista

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Polícia Civil informou na véspera que foram 28 mortos em confronto na favela do Jacarezinho na última quinta-feira e não 29 como haviam informado anteriormente.

Dos óbitos, seriam 27 suspeitos e um policial, segundo a polícia do Rio.

"O equívoco aconteceu por conta de dois corpos que não estavam identificados no hospital, mas que já tinham sido identificados pela Delegacia de Homicídios; o que causou a contagem dupla", disse a polícia do Rio.

A polícia também divulgou na véspera a lista de mortos na ação, considerada a mais letal já deflagrada pelas forças de segurança na cidade.

O comando da polícia afirmou que os mortos suspeitos eram ligados ao crime organizado e tinham antecedentes criminais.

Parentes de algumas vítimas, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Defensoria Pública, no entanto, disseram que entre as vítimas havia inocentes.

Representantes da Defensoria Pública estiveram na favela para conversar com moradores e checar informações.

Os corpos de alguns mortos no Jacarezinho começaram a ser sepultados no sábado.

Entidades e instituições nacionais e internacionais acompanham os desdobramentos das investigações sobre a operação.

(Por Rodrigo Viga Gaier)