Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,87
    +0,60 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.855,00
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    32.361,59
    -1.085,66 (-3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,40
    -25,50 (-3,77%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.464,25
    +102,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6381
    -0,0139 (-0,21%)
     

Polícia apreende computadores e celulares de médico de Maradona, que nega acusação de homicídio

LANCE!
·1 minuto de leitura


Alvo de investigação da justiça argentina por homicídio culposo contra Diego Maradona, o médico Leopoldo Luque foi alvo de uma operação neste domingo. A polícia de Buenos Aires apreendeu documentos, computadores e cinco celulares na casa e no escritório do profissional.

Indignado com a suspeita de crime, Leopoldo convocou uma entrevista coletiva à imprensa argentina e negou veementemente as acusações de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, por uma possível negligência médica.

- Todos nós nos reunimos para ver o que era melhor para Maradona. O que precisamos é de sua vontade, porque sem Diego nada poderia ser feito. Por que eles não investigam quem era Diego? Não existem critérios que possamos seguir o seu consentimento - afirmou.

Maradona faleceu na última quarta-feira, em casa, vítima de um ataque cardíaco. Leopoldo rechaçou a ideia de um erro médico por parte dele e da equipe médica, afirmando que a causa da morte já foi revelada e foi uma fatalidade.

- Não há erro médico, nem há julgamento. Maradona teve um ataque cardíaco. É a coisa mais comum no mundo que morre assim. É um fato que pode acontecer. Sempre foi feito todo o possível para diminuir esse risco, não dá para bloqueá-lo - completou.