Mercado abrirá em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,39
    -0,23 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.833,20
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    38.597,95
    -1.866,21 (-4,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    917,97
    -12,39 (-1,33%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.022,61
    -55,81 (-0,79%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.860,75
    -177,00 (-1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0237
    -0,0168 (-0,28%)
     

Polícia acaba com festas na capital e no interior de SP com mais de 400 pessoas

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Três festas clandestinas foram interrompidas no interior e na capital, entre a noite de sexta-feira (11) e a madrugada de sábado (12). Ao menos 420 pessoas estavam aglomeradas nos locais e os responsáveis foram autuados por infringir as medidas sanitárias devido a pandemia de Covid.

Na capital, as ações foram realizadas pelo Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos), o Dope (Departamento de Operações Especiais de Polícia), em conjunto com a Vigilância Sanitária do Estado, Procon e órgãos fiscalizadores do município.

Uma das festas clandestinas interrompidas pela blitz acontecia em um bar na avenida Itaquera, no bairro Cidade Líder, zona leste de São Paulo. No local com pouca ventilação, os policiais do Garra flagraram cerca de 270 pessoas aglomeradas, a maioria sem máscara. Elas bebiam e faziam uso de narguilé (espécie de cachimbo) coletivo.

No bar, foram apreendidos dois notebooks, três máquinas de cartão, um microfone, um controlador de luz, quatro mesas de som, e um lacre com comprovantes de pagamentos de cartão de crédito.

Três responsáveis pelo estabelecimento comercial foram levados ao DPPC (Departamento de Polícia e de Proteção à Cidadania), onde assinaram termo circunstanciado de infração em medida sanitária. Os frequentadores foram dispensados pela Vigilância Sanitária para evitar maior risco de disseminação do vírus.

A segunda festa clandestina acontecia em uma casa de shows, no Parque do Carmo, zona leste da capital. Quando a polícia chegou ao local, os frequentadores estavam fugindo e os agentes tiveram que arrombar duas portas para entrar no estabelecimento comercial.

Os policiais não encontraram nenhuma pessoa dentro da casa de shows e suspeitam que eles fugiram pelas portas dos fundos do imóvel. Segundo a polícia, as luzes estavam acesas e havia indícios de que acontecia uma festa clandestina no local.

No interior do estabelecimento, foram encontrados garrafas de bebidas, copos, narguilés, baldes de bebidas geladas e tíquetes de consumo com indicação de horários próximos à chegada dos policiais. Os policiais apreenderam notebook, CPU, mesa de som, aparelho DVR, máquina de pagamento de cartão, comandas e documentos de pessoas.

O Instituto de Criminalística esteve no local para fazer perícia. Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública de São Paulo), a proprietária foi identificada e será investigada.

Interior Em Araçatuba (517 km da capital), a fiscalização encerrou uma festa que estava sendo realizada em um sobrado na avenida Paulista, no bairro Nova York, área nobre da cidade. No local, havia 150 pessoas.

A Guarda Municipal chegou ao local após receber uma denúncia anônima. Os organizadores da festa foram identificados e multados em R$. 2.909, mas o valor pode dobrar se houver reincidência.

Segundo a prefeitura, as imagens do local e dos organizadores da festa serão anexadas à denúncia que será enviada ao Ministério Público para que medidas judiciais sejam tomadas.

A fase de transição do Plano São Paulo não permite festas e eventos no Estado, mas os prefeitos têm autonomia para aumentar as restrições. O toque de recolher continua, das 21h às 5h.

Como denunciar Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br, do Centro de Vigilância Sanitária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos