Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.637,25
    +807,02 (+2,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Polêmica sobre rotulagem russa azeda Ano Novo do champanhe francês

·2 min de leitura
O presidente Vladimir Putin assinou uma legislação em junho que torna ilegal que champanhes importados usem a tradução russa, "Shampanskoe", em suas garrafas (AFP/Alexander NEMENOV) (Alexander NEMENOV)

Os produtores franceses de champanhe entrarão em 2022 com pelo menos um contratempo, pois a partir de sábado (1) terão que cumprir uma nova lei russa que os proíbe de chamar seu produto pelo nome em russo, uma afronta que enfurece a indústria.

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou a lei em junho, tornando ilegal que champanhes importados usem a tradução russa "Shampanskoe" em suas garrafas, reservadas apenas para vinhos espumantes russos.

Os produtores franceses ainda podem usar a palavra em francês, mas terão de escrever "vinho espumante" em cirílico no verso das garrafas, uma heresia para as casas que afirmam que nada pode se comparar a seu esplendor único.

Há anos lutam para salvaguardar a sua denominação de origem controlada para uso exclusivo em todo o mundo, através das disposições do Acordo de Lisboa de 1958.

Mas a Rússia é um dos vários países - incluindo os Estados Unidos - que não são signatários, e as negociações para convencer o governo russo a revogar a lei falharam até agora.

Em outubro, no entanto, a França obteve uma moratória de dois meses, permitindo-lhe vender estoques já enviados para a Rússia, ao mesmo tempo em que removeu "Shampanskoe" de seus rótulos de exportação.

"Isso nos permitiu garantir que as garrafas não conformes enviadas antes de julho pudessem ser vendidas", disse o Comitê de Champagne, um órgão da indústria, em um comunicado.

Enquanto isso, as negociações continuam, disse um funcionário do Ministério do Comércio francês à AFP, que pediu para não ser identificado pelo nome.

“Continuamos mobilizados, com a Comissão Europeia, para continuar trabalhando neste assunto e defender a nossa indústria de vinhos e licores, incluindo o champanhe”, disse o responsável.

A Rússia é o 15º mercado de exportação do champanhe francês, com 1,8 milhão de garrafas vendidas no país em 2019, ou seja, 1,5% do total das vendas.

Para o Comitê Champagne, o russo "é um mercado promissor e de alto valor".

pcm/js/adp/lth/mab/eg/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos