Mercado abrirá em 9 h 4 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,46
    +0,07 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.878,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.238,70
    +21,41 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,99
    -10,70 (-3,92%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.438,41
    -270,39 (-1,09%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.231,75
    +99,00 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7379
    +0,0035 (+0,05%)
     

Podem existir planetas com condições melhores para a vida do que a Terra

Danielle Cassita
·3 minutos de leitura

Nosso planeta tem condições hospitaleiras para a ocorrência de vida, mas pode não ser o melhor de todos neste sentido: em um estudo recente liderado pelo cientista Dirk Schulze-Makuch, da Washington State University, os pesquisadores identificaram mais de 20 planetas fora do Sistema Solar que podem ter condições ainda melhores para a ocorrência de vida — e que orbitam estrelas que, talvez, sejam até melhores que o nosso Sol.

A habitabilidade de um planeta não indica necessariamente que haja vida por lá, mas sim que ele tem as condições necessárias para a ocorrência da vida. Assim, para o estudo, Schulze-Makuch se uniu aos astrônomos René Heller, do instituto Max Planck Institute for Solar System Research, e Edward Guinan, da Villanova University, para identificar critérios de super-habitabilidade e procurar bons candidatos entre os 4.500 exoplanetas conhecidos além do nosso Sistema Solar.

(Imagem: Reprodução/Universo Observado)
(Imagem: Reprodução/Universo Observado)

Depois, eles selecionaram sistemas que tivessem planetas em órbita dentro da zona habitável de suas estrelas. Acontece que o Sol terá uma vida relativamente curta, que terá menos de 10 bilhões de anos de duração. Como foram necessários mais de 4 bilhões de anos até o aparecimento de formas de vida complexas na Terra, as estrelas G — muito parecidas com nosso Sol — podem ficar sem combustível antes do desenvolvimento destas formas de vida. Assim, eles observaram também as estrelas K, que são um pouco menos luminosas que o Sol e podem “viver” por até 70 bilhões de anos.

Como os planetas que as orbitam seriam mais velhos, eles teriam mais tempo também para que as formas de vida se desenvolvessem e se tornassem complexas, como as que temos hoje na Terra. Entretanto, os planetas também não poderiam ser antigos demais a ponto de não terem mais calor geotérmico e campos geomagnéticos protetores. Além disso, um planeta com apenas 1,5 vez a massa da Terra poderia manter mais calor e teria gravidade mais forte. Por fim, a água seria essencial para a vida, principalmente em vapor, nuvens e umidade.

No fim, entre os 24 candidatos selecionados, nenhum tem todas as características necessárias para serem considerados super-habitáveis — mas um deles tem quatro daquelas mais críticas, e poderia ser muito mais confortável para a vida do que a Terra. "Às vezes, é difícil entender este princípio de planetas super-habitáveis porque pensamos que temos o melhor planeta", disse Schulze-Makuch. "Temos um grande número de formas de vida complexas e diversas, e muitas que podem sobreviver em ambientes extremos. É bom ter vida adaptável, mas não significa que temos o melhor de tudo".

Os 24 candidatos para planetas super-habitáveis estão a mais de 100 anos-luz de distância, mas o pesquisador ressalta que o estudo poderia ajudar a direcionar futuras observações, como o James Webb Space Telescope, da NASA: "com os próximos telescópios espaciais a caminho, teremos mais informações, então é importante selecionar alguns alvos de estudo", disse. "Temos que focar em certos planetas que têm as condições mais promissoras para vida complexa. Entretanto, precisamos ser cuidadosos para não ficarmos presos à procura de uma segunda Terra, porque poderia haver planetas mais propícios à vida do que o nosso".

O estudo foi publicado na revista Astrobiology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: