Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,84 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,49 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,63
    +0,31 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.732,60
    -12,20 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    60.054,53
    +219,29 (+0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.289,09
    -5,49 (-0,42%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.453,28
    -245,52 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    29.538,73
    -229,33 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    13.824,75
    -4,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8285
    +0,0643 (+0,95%)
     

Pode ser que tenhamos alta no petróleo nas próximas semanas, diz Bolsonaro

RICARDO DELLA COLETTA E DANIEL CARVALHO
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  05-02-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 05-02-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira (3) que pode ocorrer uma alta no preço do petróleo nas próximas semanas, o que segundo ele reforça o interesse do governo em trocar a presidência da Petrobras.

As declarações ocorreram após visita à residência do embaixador do Kuwait, em Brasília. Também participaram o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República.

Bolsonaro disse que estavam na reunião um grupo de chefes de missões diplomáticas em Brasília.

"A notícia não muito boa: falei sobre petróleo, obviamente, eles [os embaixadores] acham que o preço ainda não está muito adequado", disse.

"Pode ser que tenhamos uma alta do petróleo nas próximas semanas, o que complica para a gente. Isso reforça o nosso interesse em efetivamente mudar o presidente da Petrobras, porque queremos... Não interferir, como nunca interferimos, isso nunca existiu".

A fala do presidente ocorre em meio à crise aberta com a interferência do Planalto na petroleira. Bolsonaro determinou a troca do atual presidente, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna.

O motivo da substituição é a política de preços da empresa e as subsequentes altas no valor dos combustíveis.

O presidente está pressionado por categorias próximas ao bolsonarismo, principalmente os caminhoneiros.

A crise transbordou a troca na presidência.

Quatro dos 11 membros do conselho de administração da Petrobras informaram a companhia que não aceitarão a recondução ao cargo na próxima assembleia geral extraordinária.

Bolsonaro tem o direito de indicar o presidente da Petrobras porque a União é a maior acionista da companhia. A nomeação, porém, depende de aval do conselho. O mandato de Castello Branco se encerra em 20 de março.

A recondução deles havia sido proposta pela União, conforme ofício do Ministério de Minas e Energia recebido pela companhia em 19 de fevereiro. Além desses quatro, a Petrobras tem outros três conselheiros indicados pelo governo federal.

Questionado sobre a saída, Bolsonaro disse que ela pode ter ocorrida por "solidariedade".

"Conversei rapidamente com o [ministro] Bento [Albuquerque, de Minas e Energia] hoje, resolveram sair, talvez por solidariedade. O que nós queremos é que o nome do Silva e Luna seja aprovado, que preenche todos os pré-requisitos", disse.

Em outra frente, Bolsonaro reduziu os tributos federais do óleo diesel e do gás de cozinha para tentar reduzir o valor dos insumos. O corte no diesel tem duração de dois meses.

Nesta quarta, Bolsonaro afirmou que a Petrobras pode atuar em outras áreas para impactar no preço dos combustíveis. Ele também defendeu a aprovação do projeto enviado pelo governo que muda a cobrança do ICMS sobre os combustíveis.

"A Petrobras pode colaborar com outros órgãos no combate a cartéis, na adulteração de combustível, e a questão de diversificar o máximo possível a questão das refinarias".