Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,31
    +0,14 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.870,00
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    13.549,93
    +119,25 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,70
    +23,02 (+9,49%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.486,40
    -100,20 (-0,41%)
     
  • NIKKEI

    23.152,53
    -179,41 (-0,77%)
     
  • NASDAQ

    11.179,50
    -163,25 (-1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7486
    +0,0030 (+0,04%)
     

POCO explica o motivo de rebatizar celulares da Redmi

Felipe Junqueira
·2 minutos de leitura

Você deve ter reparado que a maior parte dos celulares lançados pela POCO até agora, desde que a empresa se tornou independente, são um Redmi rebatizado para o público indiano, certo? O único modelo realmente novo até agora é o POCO X3 NFC, lançado recentemente no Brasil.

De resto, sempre há um Redmi igual no mercado chinês, como é o caso mais recente do POCO C3, que nada mais é do que o Redmi 9C. Alguns até possuem alguma diferença de hardware, como o Poco F2 Pro, que traz opção com menos memória RAM que sua contraparte Redmi K30 Pro Zoom. Mas, no geral, um projeto já pronto é rebatizado sob uma nova “grife” na Índia, mesmo.

O diretor regional da POCO, Anuj Sharma, deu uma entrevista ao site The Indian Express, na qual garante que os celulares da marca são “versões melhoradas e com melhor valor para o consumidor” do que os da Redmi. Ambas são empresa independentes da Xiaomi para criar e promover seus celulares, mas ainda utilizam até mesmo a interface do sistema, a MIUI.

Tipo White Label

“A POCO ainda é uma marca nova, e projetar celular para todas as faixas é uma tarefa difícil”, explicou Sharma. Por isso, a companhia reaproveita projetos de outra marca também da Xiaomi, uma coisa já feita por outras chinesas no passado. “O primeiro celular da OnePlus — o OnePlus One — era um smarphone rebatizado da OPPO, e a Realme começou com um caso similar”, lembrou o executivo.

Tanto a OnePlus quanto a Realme são “submarcas” que pertencem à mesma dona da OPPO, a BBK Electronics. De fato, não há nenhum problema em rebatizar um celular, e há vários casos de marcas que compram um projeto e lançam com sua própria marca. É um processo chamado White Label, quando uma empresa permite que outra explore sua tecnologia comercialmente. Isso não é exclusivo da indústria de eletrônicos, e é ainda mais fácil e comum quando as duas marcas pertencem à mesma empresa.

No caso da POCO, a ideia é continuar a aproveitar plataformas da Xiaomi, incluindo a MIUI, no futuro próximo, e a marca não pretende criar uma interface própria tão cedo. Por enquanto, a empresa expandiu os mercados, chegando de maneira oficial ao Brasil com o lançamento do POCO X3 NFC, feito nesta quinta-feira (8), além da promessa de mais novidades para o país no futuro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: