Mercado fechará em 1 h 21 min

PlayStation 5 tem SSD soldado e isso pode ser um problema no futuro

Wagner Wakka
·4 minutos de leitura

A Sony mostrou todos os componentes internos do PlayStation 5 em vídeo abrindo o console. Com isso, confirmou que o SDD proprietário será soldado na placa, diferente do que acontecia com PlayStation 4 e PlayStation 3. Se isso pode garantir uma alta velocidade de transmissão, por outro lado impede a troca do componente. E aí, o que fazer se o SSD do PlayStation 5 morrer?

A primeira coisa a se ter em mente é: qual a probabilidade de o SSD parar de funcionar? Bom, o componente do PlayStation 5 não é um SSD úinico, mas um conjunto de 12 canais em diferentes componentes. Assim, a probabilidade de que ele “morra” de uma vez é bem baixa. Antes disso, deve começar a apresentar erros de leitura e escrita.

Mas quanto tempo dura um SSD convencional? Uma das pesquisas mais conceituadas sobre o assunto vem da Universidade de Toronto. De acordo com levantamento da universidade, a perspectiva é de que um SSD possa durar até 10 anos até parar de funcionar completamente.

O que define isso são dois fatores. O primeiro é o cálculo de terabytes escritos (ou TBW, na sigla em inglês), ou seja, a quantidade de informação colocada e retirada do aparelho. Segundo a pesquisa da Universidade de Toronto, uma faixa razoável para um SSD entre 512 GB e 1 TB seria de 300 TB escritos. Considerando a média de 50 GB para um jogo, seria possível transportar 6 mil games para o SSD.

<em>SSDs e controlador do PlayStation 5 soldados na placa (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)</em>
SSDs e controlador do PlayStation 5 soldados na placa (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)

Ainda, há outra medida de vida útil de SSD: a capacidade escrita por dia (DWPD). É esse cálculo define a garantia do produto. Por exemplo, se um fabricante diz que o SSD tem garantia de cinco anos, isso quer dizer que você pode transportar 1 TB todo dia, por cinco anos, antes de ele apresentar erro.

Levando em conta que a adição e retirada de conteúdos não tende a ser frequente em consoles, isso permite dizer a previsão é que o SSD do PlayStation 5 dure bastante tempo. Quanto a isso, você pode ficar tranquilo.

Outros dois pontos podem ser mais complicados e envolvem danos físicos e altas temperaturas para o componente. Uma forte batida ou um calor excessivo para os SSDs podem causar bons danos. Por esse motivo, o design do PlayStation 5 conta com dois pontos. O primeiro é o suporte bastante fixo, tanto para deixar o aparelho em pé, quanto deitado. Pode parecer trabalhoso trocar a posição do videogame com parafusos e encaixes na base, mas isso garante que ele não vai cair e, possivelmente, danificar componentes como o SSD.

Outro ponto importante do design do PlayStation 5 é sua ventoinha de 120mm na parte de cima, além de um enorme dissipador enorme. A CPU e a GPU e ainda contarão com metal líquido para amenizar o calor. Assim, é possível ver que o console foi muito bem pensado para não rodar constantemente em altas temperaturas.

<em>Ventoinha robusta deve ajudar a segurar altas temperaturas do console (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)</em>
Ventoinha robusta deve ajudar a segurar altas temperaturas do console (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)

Voltando à pesquisa da Universidade de Toronto, pensar em um SSD com qualidade para 10 anos em videogames é um bom número. Isso porque a geração de consoles tende a durar aproximadamente sete anos, o que permite que você curta seus videogame sem problemas neste período.

A questão será revender este aparelho no final da geração, quem sabe daqui sete anos. Mas isso é um problema do jogador do futuro.

E se der pau, o que dá para fazer? 

Como o SSD é soldado na placa, não é possível fazer a troca facilmente. Ou seja, se ele parar integralmente de funcionar, será preciso trocar toda a placa e, neste caso, talvez seja mais fácil comprar outro console.

Contudo, pode haver um paliativo. O PlayStation 5 também tem uma entrada para um segundo SSD, com interface M2 PCIe 4.0. A proposta é de que este segundo SSD seja uma extensão de armazenamento.

Entretanto, na falha do SSD principal, pode ser uma opção para não perder o console inteiro. É a configuração ideal? Não, mas ao menos pode salvar o videogame em último caso.

<em>Interface M2 para adição de um segundo SSD (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)</em>
Interface M2 para adição de um segundo SSD (Foto: Reprodução/Sony/YouTube)

Vale ressaltar que este é um cenário que, se ocorrer, será para dispositivos já usados por muito tempo. Assim, não deve ser encarado como um defeito de produção ou uma falha de design, mas uma escolha que prioriza velocidade em detrimento de manutenção.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: