Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,42
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +8,60 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    39.875,23
    +889,29 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,33
    +8,40 (+0,90%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.980,25
    -31,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0669
    +0,0084 (+0,14%)
     

Plataforma Méliuz lança novo lote de ações para obter mais de R$ 1 bilhão

·1 minuto de leitura

Depois de lançar sua oferta inicial de ações (IPO) no fim do ano passado, a plataforma de cashback Méliuz apresentou na semana passada mais um lote de papéis para venda — o chamado follow-on. Em abril, o serviço ampliou a oferta de produtos ao lançar uma plataforma de empréstimos. Desde 2019, a marca tem cartão de crédito sem anuidade e com cashback.

Segundo a empresa, o objetivo do follow-on é obter até R$ 1,12 bilhão. Inicialmente o valor seria de R$ 749 milhões, mas a possibilidade de um lote adicional de títulos elevou o montante. Na oferta primária, 7,5 milhões de novas ações da companhia serão emitidas. Já para a secundária, serão cerca de 6 milhões de unidades.

Em maio, a empresa adquiriu a Acesso Soluções de Pagamento, que começou como emissora de cartão pré-pago, em um negócio de R$ 324,5 milhões. A Acesso controla o Bankly, uma operação de banking-as-a-service (BaaS), lançado no primeiro semestre do ano passado. Seus clientes incluem varejistas, companhias de software, adquirentes, subadquirentes, empresas de educação e outros segmentos.

Imagem: Reprodução/Elements/Rawpixel
Imagem: Reprodução/Elements/Rawpixel

Follow-on do Inter

No fim de junho, o Inter obteve R$ 5,5 bilhões em seu follow-on. Os coordenadores da oferta foram Bradesco BBI, BTG Pactual, Bank of America (BofA), Itaú BBA, J.P. Morgan e UBS BB.

A Stone foi o investidor âncora na transação. Em maio, a empresa já havia comprado uma participação minoritária no Inter: ela foi limitada a 4,99% e o acordo foi de R$ 2,5 bilhões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos