Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.903,40
    -766,43 (-1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Plataforma de cripto ainda não pagou R$ 1,1 bi roubados em ataque

·2 min de leitura
Plataforma de criptomoedas BitMart prometeu reembolso total às vítimas do hack de US$ 200 milhões (R$ 1,1 bilhão) em toda o app, mas alguns usuários ainda não receberam seu dinheiro de volta. (Getty Images)
  • Ataque hacker aconteceu em 4 de dezembro e plataforma prometeu devolver todo o dinheiro

  • Uma série de usuários ainda não recebeu o reembolso do valor que tinha na carteira

  • Protesto no Twitter tenta chamar atenção para os usuários que foram prejudicados

A plataforma de criptomoedas BitMart prometeu reembolso total às vítimas do hack de US$ 200 milhões (R$ 1,1 bilhão) em toda o app, mas alguns usuários ainda não receberam seu dinheiro de volta, de acordo com uma reportagem da CNBC.

Leia mais:

Os hackers fugiram com uma variedade de tokens em 4 de dezembro depois de usar uma chave de privacidade roubada para obter acesso a uma das carteiras quentes do BitMart, também conhecida como carteira criptográfica conectada à Internet.

Logo após o incidente, a BitMart anunciou que usaria seu próprio financiamento “para cobrir o incidente e compensar os usuários afetados”. No entanto, como relata a CNBC, ainda existem vários usuários frustrados que ainda não viram seus fundos devolvidos.

A reportagem da CNBC detalha a experiência de um refugiado iraniano que diz ter armazenado US$ 53.000 (R$ 299 mil) em SafeMoon no BitMart, dos quais US$ 40.000 (R$ 226 mil) são de um empréstimo. A agência também entrou em contato com um investidor do Kansas que tem US$ 35.000 (R$ 198 mil) no limbo – ele afirma que ele e 6.800 outros investidores podem entrar com uma ação coletiva contra a BitMart se nada for feito para resolver a situação.

Protesto no Twitter tenta chamar atenção

De todos os tokens roubados no hack do BitMart, os dados da empresa de segurança blockchain PeckShield mostram que o SafeMoon foi o mais atingido. Conforme apontado pela CNBC, os detentores do SafeMoon estão revidando no Twitter e inundando o site com a hashtag #WenBitMart para exigir o retorno de seus fundos.

Essa pode ser a única maneira pela qual os usuários sentem que podem chamar a atenção para o problema, pois a CNBC relata que alguns usuários recebem respostas vagas ao entrar em contato com a BitMart para verificar o status de seus fundos perdidos.

Ainda não está claro como o BitMart planeja reembolsar todos os usuários afetados. A CNBC observa que, embora a exchange possa recomprar todos os tokens perdidos, pode estar fazendo isso quando esses tokens estão em um valor muito mais alto. Outros usuários questionam se o BitMart usará alguma forma de seguro para pagar os usuários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos