Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.837,30
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    56.436,41
    +498,40 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.513,93
    +1.271,26 (+523,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.331,75
    -14,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3420
    +0,0018 (+0,03%)
     

Plantio de algodão 2020/21 na Bahia começa nesta semana com redução na área

·2 minuto de leitura
Plantação de algodão no distrito de Roda Velha, Bahia

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio da safra de algodão 2020/21 da Bahia deverá ter início na sexta-feira, quando se encerra o período de vazio sanitário, em meio a projeções de diminuição na área cultivada com a fibra, disse nesta quinta-feira a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

Segundo a entidade, a área plantada com algodão no Estado deverá atingir 264,6 mil hectares na nova safra, queda de 15% na comparação anual, embora os agricultores tenham se mostrado otimistas com os resultados em produtividade.

A Abapa destacou que ainda há 20% da safra anterior a ser vendida, especialmente após os impactos causados pela pandemia de coronavírus, fator que pressionou os cotonicultores para a redução da área.

A associação, porém, acrescentou que há um apoio do aumento do preço no mercado e da retomada da atividade econômica pelos países asiáticos, que formam principal mercado internacional da fibra brasileira.

Nesta quinta-feira, o contrato março do algodão fechou em queda de 0,16 centavo de dólar, a 71,67 centavos de dólar por libra-peso, pressionado por dados negativos de exportação e pelo avanço no número de casos de Covid-19 no mundo.

Mas nas mínimas do ano, registradas em abril --auge das medidas restritivas relacionadas à pandemia--, o algodão chegou a valer cerca de 50 centavos de dólar por libra-peso no mercado internacional.

"O câmbio favorável no momento da comercialização da fibra, a partir de setembro, mudou o clima entre os produtores, principalmente entre aqueles que seguraram os estoques para negociar em momento mais adequado", disse em nota o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato.

"O produtor baiano, que já tem uma infraestrutura do seu negócio e já passou por outras crises, vai continuar confiando na rentabilidade e do retorno do seu investimento nas próximas safras diante da retomada da demanda pela fibra no mundo", acrescentou.

A Bahia contribui com cerca de 25% da produção nacional de algodão, perdendo apenas para o Mato Grosso.

Em seu boletim mais recente sobre a safra, divulgado neste mês, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou uma produção de 455,3 mil toneladas de algodão em pluma na Bahia em 2020/21, recuo de 23% no ano a ano. A estatal vê a área da pluma no Estado atingindo 251 mil hectares, queda de 20%.

(Por Gabriel Araujo)