Mercado fechará em 2 h 19 min
  • BOVESPA

    109.737,33
    -48,97 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.443,03
    -293,45 (-0,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,40
    +0,49 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.809,30
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    18.964,90
    -301,75 (-1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,67
    +6,15 (+1,66%)
     
  • S&P500

    3.622,88
    -12,53 (-0,34%)
     
  • DOW JONES

    29.852,11
    -194,13 (-0,65%)
     
  • FTSE

    6.386,81
    -45,36 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.118,25
    +42,25 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3550
    -0,0419 (-0,66%)
     

Plantio de algodão 2020/21 na Bahia começa nesta semana com redução na área

·2 minuto de leitura
Plantação de algodão no distrito de Roda Velha, Bahia
Plantação de algodão no distrito de Roda Velha, Bahia

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio da safra de algodão 2020/21 da Bahia deverá ter início na sexta-feira, quando se encerra o período de vazio sanitário, em meio a projeções de diminuição na área cultivada com a fibra, disse nesta quinta-feira a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa).

Segundo a entidade, a área plantada com algodão no Estado deverá atingir 264,6 mil hectares na nova safra, queda de 15% na comparação anual, embora os agricultores tenham se mostrado otimistas com os resultados em produtividade.

A Abapa destacou que ainda há 20% da safra anterior a ser vendida, especialmente após os impactos causados pela pandemia de coronavírus, fator que pressionou os cotonicultores para a redução da área.

A associação, porém, acrescentou que há um apoio do aumento do preço no mercado e da retomada da atividade econômica pelos países asiáticos, que formam principal mercado internacional da fibra brasileira.

Nesta quinta-feira, o contrato março do algodão fechou em queda de 0,16 centavo de dólar, a 71,67 centavos de dólar por libra-peso, pressionado por dados negativos de exportação e pelo avanço no número de casos de Covid-19 no mundo.

Mas nas mínimas do ano, registradas em abril --auge das medidas restritivas relacionadas à pandemia--, o algodão chegou a valer cerca de 50 centavos de dólar por libra-peso no mercado internacional.

"O câmbio favorável no momento da comercialização da fibra, a partir de setembro, mudou o clima entre os produtores, principalmente entre aqueles que seguraram os estoques para negociar em momento mais adequado", disse em nota o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato.

"O produtor baiano, que já tem uma infraestrutura do seu negócio e já passou por outras crises, vai continuar confiando na rentabilidade e do retorno do seu investimento nas próximas safras diante da retomada da demanda pela fibra no mundo", acrescentou.

A Bahia contribui com cerca de 25% da produção nacional de algodão, perdendo apenas para o Mato Grosso.

Em seu boletim mais recente sobre a safra, divulgado neste mês, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimou uma produção de 455,3 mil toneladas de algodão em pluma na Bahia em 2020/21, recuo de 23% no ano a ano. A estatal vê a área da pluma no Estado atingindo 251 mil hectares, queda de 20%.

(Por Gabriel Araujo)