Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,69
    +0,64 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.783,70
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    50.658,05
    -33,73 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.384,75
    +66,75 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2824
    -0,0573 (-0,90%)
     

Planta faz isso? Niantic e Nintendo lançam o anti-‘Pokémon Go’

·5 min de leitura

Após o grande sucesso de Pokémon Go, o próximo jogo para smartphone da Niantic, baseado em uma propriedade da Nintendo, terá uma vibe mais calma. As duas empresas acabaram de lançar Pikmin Bloom, disponível para iOS e Android.

Enquanto o Pokémon Go pedia aos jogadores que reunissem os monstrinhos em pontos de acesso do mundo real, no Pikmin Bloom o jogador pode cultivar pikmins: uma espécie de mistura de pequenos animais com pequenas plantas.

O game é resultado de uma colaboração de três anos entre a Niantic e a Nintendo e um exemplo de como a Niantic deseja filtrar o mundo através das lentes da realidade aumentada. Em vez de tentar criar realidades virtuais como Facebook, Epic Games e Roblox estão fazendo, Niantic acha que jogos como Pikmin Bloom podem tornar o mundo físico um pouco mais agradável.

(Crédito: Cortesia da Ninantic)

“Trata-se de colocar as coisas no mundo que dão um certo sabor, uma certa sensação”, diz John Hanke, fundador e CEO da Niantic. “E eu acho que Pikmin é um ótimo exemplo disso.”

POR QUE A NIANTIC ESCOLHEU PIKMIN?

Entre todas as propriedades da Nintendo que a Niantic poderia ter usado em seu último jogo, Pikmin não é uma escolha óbvia.

Embora a série tenha desenvolvido uma base de fãs modesta desde o lançamento do Pikmin original no Nintendo GameCube em 2001, ela nunca teve o enorme apelo mainstream de The Legend of Zelda, Animal Crossing ou qualquer jogo estrelado por Mario. Os jogos de console Pikmin também podem ser bastante estressantes, com os jogadores tendo que planejar como melhor aproveitar seus Pikmin para coleta de recursos, evitando perigos e lutando com o tempo.

(Crédito: Cortesia da Ninantic)

Ainda assim, Niantic gravitou em torno de Pikmin enquanto discutia ideias de jogos em potencial com a Nintendo. Madoka Katayama, a diretora de design UX da Niantic Tokyo, diz que o estúdio sabia desde cedo que queria construir um jogo em torno de caminhadas diárias e registros de vida. As criaturas Pikmin, que emergem do solo brotando flores em suas cabeças e se reunindo em torno do jogador, pareciam um ajuste natural.

“Amamos o conceito em torno do Pikmin, como eles constroem coisas para você, eles coletam coisas para você e sentimos que isso funcionou muito bem com os princípios e a visão da Niantic”, diz Katayama.

Enquanto caminham, os jogadores podem ver um mapa dos arredores e procurar mudas que brotam em Pikmin com o tempo. Os pequenos personagens seguirão o jogador e entregarão itens, e os jogadores podem alimentar os Pikmin alimentando-os com néctar. Eventualmente, eles vão brotar flores em suas cabeças, deixando cair pedais que se transformam em jardins de flores para todos os outros jogadores verem.

Alguns elementos do jogo ainda serão uma reminiscência de Pokémon Go, que desafiava os jogadores a procurar Pokémons raros e competir com outros. Os jogadores ocasionalmente verão oportunidades de reunir Pikmin especiais que não estão em seu caminho, e a Niantic planeja realizar eventos comunitários em que os jogadores podem se reunir e cultivar jardins de flores juntos. (O esquema de monetização também será semelhante, com jogadores capazes de comprar sementes e plantadores para cultivar Pikmin mais rápido, e a Niantic não descartou a publicidade como uma possibilidade futura.)

Mas, na maior parte, o jogo se concentra em colher os frutos de fazer mais caminhadas. O processo de caminhada é o que permite que os personagens Pikmin cresçam e, ao final de cada passeio, os jogadores podem ver uma contagem de passos junto com um mapa de sua rota. Eles também poderão fazer anotações diárias com texto e fotos e enviar “cartões postais” com o tema Pikmin para amigos com fotos que tiraram ao longo do dia.

“Nós realmente queríamos ter certeza de que isso era algo desejável não apenas para os jogadores, mas também para os não jogadores”, diz Katayama.

AUMENTANDO O PÚBLICO

A natureza discreta do Pikmin Bloom — e a obscuridade da franquia em relação ao Pokémon — significa que é improvável que ele cause o tipo de frenesi que levou a 500 milhões de downloads de Pokémon Go nos primeiros meses de lançamento. No entanto há uma sensação de que o projeto alimenta objetivos mais amplos para ambas as empresas.

(Crédito: Cortesia da Ninantic)

Hanke diz que a Nintendo estava muito mais envolvida no desenvolvimento do Pikmin Bloom do que no Pokémon Go, que era uma colaboração tripla entre a Niantic, a Nintendo e a The Pokémon Company. Enquanto Niantic cuidou de todo o design do jogo no último, desta vez a Nintendo moldou tanto a mecânica do jogo central quanto o design do personagem. Até mesmo Shigeru Miyamoto, que criou a série Pikmin – e, mais notavelmente, clássicos como Super Mario Bros. e The Legend of Zelda — contribuíram.

Então, para a Nintendo, talvez Pikmin Bloom seja uma chance de reformular uma franquia Miyamoto que nunca foi muito apreciada. Hanke observa que as duas empresas ficaram “coletivamente empolgadas” em fazer um novo jogo Pikmin por causa de como ele se encaixava no conceito de companheiro de caminhada de Niantic e, de todas as contribuições da Nintendo, sua atenção aos personagens se destacam.

“Acho que os personagens, o design dos personagens e a importância de torná-los tão atraentes por natureza não podem ser subestimados”, diz Hanke. “Acho que eles são mestres nisso.”

Quanto à Niantic, Pikmin Bloom é uma tentativa de estabelecer um novo estilo de jogo aumentado. Pokémon Go foi em grande parte após o primeiro jogo de Niantic, Ingress, e Harry Potter: Wizards Unite, de 2019, seguiram um molde semelhante. (O jogo Potter também foi criticado por sua falta de jogabilidade original e parou logo após o lançamento, enquanto o Pokémon Go ainda é popular.)

Em vez de criar outro jogo hipercompetitivo baseado em localização, Pikmin Bloom está tentando ser um entretenimento de realidade aumentada para todos. É uma maneira, diz Henke, de as pessoas “embelezarem o mundo” com objetos digitais, em vez de uma distração constante.

“Ele é projetado especificamente para que você possa prestar um pouco de atenção nele e, em seguida, colocá-lo no bolso”, diz ele.

Ainda não foi testado se essa ideia vai ressoar com um grande número de jogadores, especialmente sem o gancho naturalmente viciante de capturar Pokémon na selva. Mas, assim como os próprios Pikmin, Hanke acredita que o público crescerá naturalmente com o tempo.

“Acho que vai encontrar um público que vai nos deixar felizes”, diz ele.

O post Planta faz isso? Niantic e Nintendo lançam o anti-‘Pokémon Go’ apareceu primeiro em Fast Company Brasil | O Futuro dos Negócios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos