Mercado fechará em 3 h 56 min
  • BOVESPA

    108.049,32
    -352,95 (-0,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.199,25
    -155,61 (-0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,36
    -0,40 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.811,70
    +6,50 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    23.094,91
    -897,49 (-3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,76
    -21,59 (-3,87%)
     
  • S&P500

    4.121,60
    -18,46 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    32.798,43
    -34,11 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    +5,78 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.034,25
    -149,00 (-1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2447
    +0,0353 (+0,68%)
     

Planos de saúde preveem judicialização após projeto para liberar tratamentos fora do rol da ANS

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Após a aprovação na Câmara dos Deputados do projeto que obriga os planos de saúde a cobrirem procedimentos ou tratamentos fora da lista de referência básica da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), as operadoras conversam com parlamentares para pedir alteração no projeto de lei.

A crítica está em um artigo do projeto que define que, para ser autorizado pela operadora, o procedimento fora do rol da ANS deverá ter comprovação científica ou ser recomendado por outra agência de renome internacional.

Segundo Renato Casarotti, presidente da Abramge (associação do setor), o critério deveria ser cumulativo, ou seja, o tratamento deveria obedecer aos dois requisitos ao mesmo tempo.

Sem a necessidade de incorporação do tratamento por agências internacionais, a tendência é que as operadoras neguem a cobertura, o que levaria cada caso à Justiça e geraria insegurança jurídica, afirma Casarotti.

"Quem vai fazer essa análise é o Judiciário. A gente vai negar [a cobertura], isso vai virar uma ação judicial, e vai caber ao juiz avaliar se a evidência científica apresentada é boa ou ruim. Cá entre nós, nada contra, mas não é o melhor lugar para fazer essa avaliação", afirma.

No médio ao longo prazo, os preços devem subir caso as mudanças se concretizem, de acordo com Casarotti. O projeto de lei segue para o Senado.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que há um acordo para que o projeto seja votado pela Casa vizinha na terça-feira (9).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos