Mercado abrirá em 9 h 29 min
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,70
    +0,07 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.705,10
    +3,10 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    19.573,28
    +402,15 (+2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,18
    +9,82 (+2,26%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.840,75
    +624,96 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    11.369,75
    +84,00 (+0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0754
    +0,0015 (+0,03%)
     

Planos da campanha de Lula para refinarias enfrentariam grandes obstáculos, dizem fontes

Tanques de combustíveis em refinaria de Paulínia

Por Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) - Propostas da oposição para desfazer as privatizações de refinarias da Petrobras encontrariam grande resistência de seus novos donos, com contratos sem cláusulas que permitam a reversão, segundo três pessoas com conhecimento do assunto disseram à Reuters.

Assessores do candidato líder nas pesquisas, Luiz Inácio Lula da Silva, sugeriram a ideia de comprar refinarias de volta.

A campanha do ex-presidente ainda não contatou os novos donos das refinarias vendidas pela Petrobras, segundo três fontes que pediram anonimato para discutir um assunto sensível.

O Mubadala Investment Company, que comprou a maior refinaria privatizada até agora, está no momento investindo no aumento da utilização da capacidade da refinaria e não está interessado em vender, segundo uma das fontes. O investidor estatal dos Emirados Árabes pagou 1,8 bilhão de dólares pela Rlam, sediada na Bahia.

A Rlam estava usando cerca de 70% de sua capacidade quando o Mubadala a adquiriu, e no momento está investindo para que a utilização de capacidade fique próxima de 100%, segundo as fontes.

Embora o Mubadala não se recuse a conversar com a Petrobras se a empresa tentar eventualmente recomprar a refinaria, as chances de concordar com uma venda são pequenas, segundo as fontes.

O Mubadala e a Petrobras não fizeram comentários sobre o assunto.

A assessoria de imprensa da campanha do ex-presidente Lula disse num e-mail que o país precisa reduzir a dependência da importação de derivados para diminuir o preço dos combustíveis. "É preciso uma nova estratégia para ampliar a capacidade de refino nacional, isso envolve rever o fator de utilização do parque de refino, realizar upgrades nas refinarias existentes e concluir obras paradas. O investimento em nova refinaria pode ser considerado, mas essa não é uma medida de curto-prazo."

A Petrobras vendeu outras três refinarias menores. A SIX, refinaria de xisto no Paraná, foi vendida por 33 milhões de dólares para a canadense F&M Resources. A Lubnor, no Ceará, foi vendida a um grupo de empresas brasileiras da área de asfalto por 34 milhões de dólares. No ano passado, a refinaria Reman, no Estado do Amazonas, foi vendida por 189,5 milhões de dólares para o grupo local Atem. Os compradores não comentaram o assunto imediatamente.

Os contratos de venda das refinarias também não dão margem ao governo para indicar membros ao conselho ou ter influência sobre o governo, segundo as fontes.

Os governos petistas adotaram algumas políticas econômicas não ortodoxas, mas nunca quebraram contratos ou ameaçaram a segurança de investimentos estrangeiros no país.