Mercado fechará em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    107.940,45
    +1.468,53 (+1,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.323,97
    +600,54 (+1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,79
    +0,78 (+0,88%)
     
  • OURO

    1.782,90
    +10,00 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    23.967,24
    +890,81 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,41
    +15,53 (+2,86%)
     
  • S&P500

    4.158,68
    +13,49 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    32.933,83
    +130,36 (+0,40%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.207,50
    -21,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2384
    -0,0282 (-0,54%)
     

Plano de saúde deverá autorizar cirurgia de mastectomia a paciente transexual. Entenda a decisão judicial

·1 min de leitura

RIO - A 2ª Vara Cível do Foro Regional de Penha de França, em São Paulo, condenou uma operadora de plano de saúde a autorizar cirurgia de mastectomia masculinizadora para paciente transexual, no prazo de 15 dias, sob pena de multa diária de R$ 200.

A juíza Deborah Lopes que analisou o caso considerou a negativa uma "conduta abusiva" e que o procedimento cirúrgico não é meramente estético.

De acordo com a ação, o usuário do plano submeteu-se a procedimento de transição de gênero, com acompanhamento médico e psicológico. Como parte do processo de transição, apresentou a plano o pedido de liberação da cirurgia de mastectomia masculinizadora, mediante prescrição médica.

A operadora negou o pedido do autor, alegando se tratar de procedimento estético sem cobertura pelo contrato de serviços de saúde.

A juíza Deborah Lopes afirmou que a operadora de plano de saúde não comprovou a exclusão contratual do procedimento. No entendimento da magistrada, a “eventual limitação na cobertura é considerada conduta abusiva na medida em que configura exagerada restrição a direito fundamental inerente à própria natureza do contrato.”

Além disso, a magistrada destacou que o procedimento cirúrgico requerido pelo autor não é meramente estético, e sim um “desdobramento do tratamento de mudança de sexo iniciado pelo paciente”.E acrescentou que “por tais motivos, não é possível à parte ré recusar o atendimento, sendo procedente o pedido tendente ao cumprimento da obrigação de fazer.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos