Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,03
    +1,51 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.725,10
    -5,40 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    20.034,03
    -320,67 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.628,75
    -12,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1314
    -0,0365 (-0,71%)
     

Plano de Lula para a Petrobras é um erro, diz Sachsida

(Bloomberg) -- O plano de Luiz Inácio Lula da Silva de manter a Petrobras como uma empresa estatal se for eleito novamente é um erro, segundo o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida.

O ex-presidente, favorito nas eleições de outubro, vem prometendo reverter anos de cortes de custos na empresa e expandir o refino doméstico para tornar o país mais independente dos preços internacionais do petróleo.

“Essa estratégia já foi usada no Brasil e deu errado”, disse Sachsida à Bloomberg em entrevista em seu gabinete em Brasília. “Isso transformou a Petrobras na empresa de petróleo mais endividada do mundo.”

O presidente Jair Bolsonaro, que busca a reeleição e está atrás de Lula nas pesquisas, abraçou o plano de seu ministro da Economia, Paulo Guedes, de privatizar a Petrobras. Embora o presidente tenha dito anteriormente que era contra a venda da gigante do petróleo, ele mudou de discurso depois que a empresa se tornou um tema quente de campanha eleitoral, com os preços dos combustíveis aumentando as pressões sobre a inflação.

Bolsonaro demitiu uma série presidentes da empresa por aumentarem preços muito rápido – uma questão que também levou à destituição do antecessor de Sachsida. Mais recentemente, cortes de impostos do governo e um declínio nos preços do petróleo deram ao presidente algum alívio político.

Privatizar a empresa também poderia ajudar a transferir a responsabilidade pelas flutuações dos preços dos combustíveis para longe do governo. Pesquisas no início deste ano mostraram que os brasileiros culparam em grande parte Bolsonaro, não a Petrobras ou a invasão da Ucrânia pela Rússia, pelo aumento dos custos para encher seus tanques.

Embora investidores tenham aplaudido a perspectiva de venda, o processo é “complexo” e levaria três ou quatro anos, segundo Sachsida. Uma das opções em análise é diluir a participação do governo por meio de conversão de ações, acrescentou ele. Por enquanto, contudo, a empresa deve continuar vendendo refinarias conforme acordado com o Cade.

Sob Lula, Petrobras buscaria expandir energia renovável e refino

Já o plano de Lula para a estatal é totalmente diferente. Se vencer, o ex-presidente quer que a empresa aumente os gastos com refino e energia renovável, reconstrua sua atuação internacional para participar de projetos estrangeiros e parcerias tecnológicas.

Para Sachsida, isso é lutar contra o inevitável. “Uma única empresa não pode determinar os preços dos combustíveis em um país”, disse ele.

O ministro, que aposta na reeleição de Bolsonaro, diz que o governo também tem um plano para estimular o setor de mineração com mais financiamento, e permitindo a concessão de áreas de mineração em troca de investimentos. Sua meta é dobrar a participação do setor de mineração na economia do país de 2,4% para 4,8% em 5 anos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.