Mercado abrirá em 5 h 16 min
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,11
    +0,49 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.839,50
    +9,20 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    21.347,76
    -104,03 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    465,86
    +11,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.255,12
    +46,31 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    22.240,72
    +521,66 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.229,00
    +88,50 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5367
    -0,0157 (-0,28%)
     

Plano de saúde: portabilidade pode ajudar a negociar aumento

Plano de saúde pode ficar até até 15,5% mais caro
Plano de saúde pode ficar até até 15,5% mais caro (Getty Image)
  • O aumento autorizado pela ANS é o maior da história

  • Planos coletivos foram levados à justiça por reajustes exorbitantes

  • Clientes podem mudar a empresa contratada para tentar reduzir os custos

Vai ficar mais caro ter atendimento de saúde particular no Brasil. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou um aumento de até 15,5% dos planos de saúde individuais.

Esse reajuste veio bem acima da inflação em 12 meses fechados abril que ficou em 12,13%. Essa é a maior elevação da história, sendo que o recorde passado foi de 13,57% em 2016.

Em planos coletivos, chegaram a ter casos de reajustes de 90%, o que levou empresas a recorrer na Justiça para tentar diminuir os valores. Para fugir do peso no bolso, uma alternativa é recorrer a outros planos por meio da portabilidade.

Quem tem um plano de saúde contratado a partir de 01/01/1999 ou adaptado à Lei dos Planos de Saúde precisa ter contrato ativo, star em dia com os pagamentos e ter cumprido um período mínimo de permanência no plano de dois anos. Se o cliente já tiver pedido portabilidade antes ou tiver doença pré-existente, o período aumenta para três anos.

Para fazer essa transição, só é permitido mudar para um plano que seja da mesma faixa de preço do atual. A legislação não permite que as as operadoras selecionem consumidores por fator de risco, como idade ou doença preexistente.

Atualmente, todas as empresas indicadas pelo Guia ANS de Planos de Saúde devem aceitar os novos clientes, mesmo que seja em um tipo de plano diferente, como do coletivo para o individual.

Na alteração, as carências cumpridas parassem para o novo plano. Isso significa que o contratante não precisará cumprir o período novamente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos