Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.979,30
    +442,86 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Plano de saúde individual pode subir 16% em 2022, projetam entidades

·1 min de leitura
Plano de saúde individual pode subir 16% em 2022, projetam entidades do setor. Foto: Getty Images.
Plano de saúde individual pode subir 16% em 2022, projetam entidades do setor. Foto: Getty Images.
  • Entidades estimam que os planos de saúde individuais devem ficar quase 16% mais caros;

  • Atualmente, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) calcula o reajuste máximo referente ao período entre maio de 2022 e abril de 2023;

  • Até o agora, o maior reajuste aconteceu em 2016, quando chegou a 13,57%, segundo dados da série histórica da ANS.

A Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) e a Federação Nacional de Saúde Suplementar (Fenasaúde) estimam que os planos de saúde individuais devem ficar quase 16% mais caros em 2022. Atualmente, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) calcula o reajuste máximo referente ao período de maio 2022 até abril de 2023.

Leia também:

Até o agora, o maior reajuste aconteceu em 2016, quando chegou a 13,57%, de acordo com dados da série histórica da agência, iniciada em 2000. No ano passado, o planos individuais tiveram pela primeira vez um reajuste negativo, de -8,19%.

De acordo com a Abramge, a queda foi provocada principalmente pela pandemia, quando houve adiamentos de serviços médicos, como procedimentos cirúrgicos e exames. Outros motivos incluíram a inflação mundial de insumos e a alta do dólar.

Alguns fatores são levados em conta para determinar o reajuste anual, como a variação das despesas com o atendimento aos beneficiários, que compõem 80% do cálculo, e a inflação acumulada no ciclo anterior, que são os 20% restantes.

Quando o reajuste é anunciado, as operadores podem aumentar os preços dos planos individuais a partir da data de aniversário do contrato, ou seja, o mês de contratação do serviço. O valor informado pela ANS não inclui plano coletivos empresariais e por adesão.

*As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos