Mercado abrirá em 9 h 6 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,96
    +0,58 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.773,70
    +3,10 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    54.876,04
    -2.172,86 (-3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.249,35
    -49,60 (-3,82%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.123,13
    +16,98 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    29.152,03
    -533,34 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.924,00
    +26,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6925
    +0,0168 (+0,25%)
     

Plano da UE para passe de viagem até junho é difícil, diz ADP

Tara Patel
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A União Europeia enfrenta uma difícil tarefa ao tentar introduzir os chamados passaportes de imunidade contra a Covid-19 até junho com o objetivo de incentivar as viagens, segundo um executivo da controladora do aeroporto mais movimentado da França.

O progresso lento e a implantação descoordenada dos passes de saúde já em desenvolvimento por companhias aéreas e outras empresas sugerem que a meta do bloco é “muito, muito ambiciosa”, disse em entrevista Franck Le Gall, diretor de operações da Groupe ADP, que opera dezenas de aeroportos, incluindo o Paris-Charles de Gaulle.

Nesta semana, o braço executivo da UE abriu caminho para a introdução de um Certificado Verde Digital como prova de que os titulares foram vacinados, se recuperaram da Covid-19 ou testaram negativo recentemente. Os passes visam facilitar as viagens tanto dentro quanto fora do bloco, buscando um equilíbrio entre estados dependentes do turismo ansiosos por reabrir as fronteiras e países como França e Alemanha, que adotaram uma postura mais cautelosa.

A mudança ocorre quando vários sistemas baseados em aplicativos móveis já estão em desenvolvimento, como o Travel Pass da Associação Internacional de Transporte Aéreo, o AOKpass, da empresa de segurança de viagens International SOS, o VeriFly, da Daon, e o CommonPass, apoiado pelo Fórum Econômico Mundial.

Uma reunião de aeroportos europeus nesta semana concluiu que “as opções em estudo precisam terminar para levar a testes em solo”, disse Le Gall. Os ensaios estão em andamento em algumas cidades, como Paris, Londres e Roma.

É vital que os passes forneçam rigorosa proteção de dados, sejam facilmente modificáveis para levar em conta as mudanças nas regras e permitam que as verificações sejam concluídas em apenas alguns segundos com o mesmo equipamento usado para verificar os cartões de embarque, disse Le Gall.

“Somos agnósticos quanto aos diferentes passes, mas nosso critério é que sejam interoperáveis, para que nosso pessoal não precise usar cinco sistemas de digitalização diferentes”, disse.

Emmanuelle Ferracci, que supervisiona o piloto da Air France para o AOKpass no terminal CDG, disse em entrevista que o processo de verificação deve ser simples e rápido ou os clientes enfrentarão “enormes gargalos nos aeroportos”.

O AOKpass foi testado pela primeira vez esta semana nos serviços de Los Angeles e São Francisco e voos para o Caribe. A equipe teve que recorrer à abertura do aplicativo em um aparelho inteligente durante uma demonstração na quinta-feira para verificar os resultados dos testes para passageiros da Califórnia, um sistema que, segundo Le Gall, não funcionaria quando os aeroportos tiverem mais movimento.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.