Mercado abrirá em 6 h 54 min
  • BOVESPA

    108.721,58
    +198,11 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,87
    +0,76 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.885,40
    +5,90 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    22.885,85
    +3,01 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,58
    +0,45 (+0,09%)
     
  • S&P500

    4.111,08
    -25,40 (-0,61%)
     
  • DOW JONES

    33.891,02
    -34,99 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.836,71
    -65,09 (-0,82%)
     
  • HANG SENG

    21.399,43
    +177,27 (+0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.674,23
    -19,42 (-0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.532,25
    +16,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5223
    +0,0030 (+0,05%)
     

Plano da Netflix de cobrar taxa extra parece estar indo por água abaixo

Netflix citou o compartilhamento de contas como um dos motivos pela perda de assinantes
Netflix citou o compartilhamento de contas como um dos motivos pela perda de assinantes
  • Política de cobrança adicional foi implementada na Costa Rica, Chile e Peru;

  • Netflix citou a divisão de contas como um dos motivos pela perda de assinantes;

  • Apesar de em vigor há uns meses, usuários ainda não foram cobrados pelo compartilhamento de senhas.

Há uns meses atrás a Netflix anunciou que iria realizar cobranças adicionais de usuários que compartilhassem suas senhas. A medida, que entrou em vigor na Costa Rica, no Chile e no Peru, previa o pagamento de uma taxa extra por cada usuário que não morasse na mesma casa e que usasse a conta.

No entanto, segundo um relatório do portal Rest of World, portal especializado em notícias de cultura e tecnologia, os usuários desses países ainda não viram nenhuma forma de aplicação da nova política, fora a tela que a anunciava.

Em abril, um mês após comunicar a cobrança adicional, a Netflix relatou sua primeira perda de assinantes em mais de uma década de operações, e citou o compartilhamento de senhas como um dos motivos responsáveis.

Confusões e falta de aplicação

A nova política de preços da Netflix colocava aos assinantes uma cobrança de $2.99 USD na Costa Rica, $7.9 PEN no Peru e $2380 CLP no Chile para cada usuário que não pertencesse à família de um titular que assistisse conteúdo em sua conta.

Esses valores ficam entre 30% e 40% do valor do plano básico nos países citados. Isso quer dizer que, caso aplicada no Brasil com o preço do plano mais barato (R$ 25,90) a cobrança ficaria entre R$ 7,70 e R$ 10,30 por cada pessoa não familiar que tivesse acesso à conta.

Um dos principais pontos de contenção com a política é a diferença na interpretação do que consiste uma família. Para os clientes, segundo um representante da Netflix entrevistado pelo Rest of World, o círculo familiar apto para dividir uma conta se refere a família próxima ou imediata do titular da conta. A empresa, no entanto, considera uma família apenas as pessoas que dividem um domicílio físico.

A Rest of World também informou que a Netflix enfrentou resistência de agências estatais de consumidores na Costa Rica, Peru e Chile. A agência de proteção aos consumidores do Peru recomendou que a Netflix trabalhe para esclarecer sua definição de "família" com os clientes. A mesma agência também teria dito que a política de cobrar os usuários pelo compartilhamento de senhas pode levar a uma discriminação arbitrária contra os consumidores.

Já funcionários de atendimento ao cliente nesses países afirmaram que, embora a política exista, basta uma ligação para a central de atendimento para regularizar a situação. Segundo eles, a pessoa seria instruída a utilizar um código extra de verificação para poder assistir a séries e filmes sem o pagamento de um custo extra.