Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,02
    -0,18 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.826,60
    +12,60 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    29.991,21
    -1.071,65 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,34
    +428,66 (+176,64%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.545,72
    -1,33 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.301,50
    +56,75 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2691
    -0,0114 (-0,22%)
     

Plano da Netflix com propagandas pode chegar até o final de 2022

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Netflix pode ganhar a tão comentada opção de assinatura com anúncios já em 2022. Ao que parece, o recente anúncio de que a plataforma perdeu assinantes pela primeira vez em uma década fez a empresa acelerar o desenvolvimento da modalidade, que teria um valor inferior em relação às opções já disponíveis, em uma tentativa de reverter a situação e atrair novos usuários.

De acordo com o jornal The New York Times, uma nota interna da companhia para seus funcionários afirma que a meta é lançar a novidade no fim do ano, mais especificamente no último trimestre de 2022. O comunicado ainda destaca que, no mesmo período, a política de cobrança adicional para impedir o compartilhamento de senhas também deve ser aplicada.

Netflix pode ficar mais barata — pelo menos nos Estados Unidos (Imagem: Unsplash/David Balev)
Netflix pode ficar mais barata — pelo menos nos Estados Unidos (Imagem: Unsplash/David Balev)

Não há qualquer informação, porém, se essa nova categoria de assinatura será aplicada globalmente ou em etapas em mercados específicos. Também não foi detalhado o quão mais barato ficará o serviço para quem optar pelos anúncios entre um episódio e outro de sua série favorita. Nos Estados Unidos, o pacote básico da Netflix — com suporte a conteúdo em HD e duas telas simultâneas — custa US$ 15,49. No Brasil, o mesmo plano custa R$ 39,90.

Além disso, a previsão ainda é extraoficial. Como o próprio jornal pontua, esse é um planejamento interno da Netflix e que pode sofrer alterações. Contudo, o mais importante disso é justamente o quanto a plataforma parece estar interessada em acelerar esse processo e trazer essa nova opção de assinatura o quanto antes.

Outros serviços

A Netflix não é a única empresa a mirar na publicidade para subsidiar uma versão mais barata de assinatura. A toda-poderosa Disney já sinalizou que também está de olho nisso e que devemos ver algo nessa linha chegando em breve ao Disney+ — pelo menos lá fora.

A HBO Max, em contrapartida, já adotou o modelo de negócio. Em junho do ano passado, o streaming da Warner Media lançou uma opção nesse formato custando US$ 10 ao mês, ou seja, US$ 5 mais barato do que o pacote básico. Já no Brasil, o formato não foi disponibilizado e os assinantes tupiniquins só podem escolher entre o pacote básico Multitelas (R$ 27,90) e o Mobile (R$ 19,90), que limita o conteúdo apenas a smartphones e tablets.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos