Mercado abrirá em 8 h 41 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,59
    +2,10 (+2,64%)
     
  • OURO

    1.671,80
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.148,90
    -157,79 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,37
    -8,06 (-1,82%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.098,60
    +161,39 (+0,62%)
     
  • NASDAQ

    10.973,00
    -62,50 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Planetas podem formar depósitos de diamantes, sugere pesquisa

Segundo pesquisa, há possibilidade de que depósitos de diamantes se formem em alguns planetas. Foto: NASA / JPL/ Handout / Reuters.
Segundo pesquisa, há possibilidade de que depósitos de diamantes se formem em alguns planetas. Foto: NASA / JPL/ Handout / Reuters.
  • Segundo estudo publicado na última sexta-feira, há a possibilidade de que alguns planetas possam formar depósitos de diamantes;

  • Cientistas usaram plástico para recriar condições de possível aparição de diamante em Urano e Netuno;

  • Pesquisadores levantaram hipótese de que pressões colossais transformaram hidrogênio e carbono em diamantes.

Estudo publicado pela revista Science Advances na última sexta-feira (2) sugere que alguns planetas podem gerar grandes depósitos de diamantes em todo o universo.

Para simular a criação dos cristais, cientistas usaram plástico para recriar as condições de possível aparição do material em Urano e Netuno.

A mistura química permitida pelo objeto possibilitou níveis de oxigênio que não estavam presentes em experimentos anteriores

Outras pesquisas sugeriam que os diamantes poderiam estar presentes na chuva e nos granizos das atmosferas dos planetas gigantes como Saturno.

Leia também:

Pesquisadores da Alemanha, da França e dos Estados Unidos ajeitaram experimentos anteriores utilizando um novo material, mais parecido com a química encontrada nos planetas: o plástico PET.

Desse modo, o substituto foi eletrocutado com um laser, para simular pressões atmosféricas similares aos dos planetas pretendidos.

Como efeito, os breves flashes de raios-X de alta intensidade possibilitaram a formação de nanodiamantes, muito pequenos para serem observados a olho nu.

A nova colaboração internacional descobriu dessa forma que a famosa ‘chuva de diamantes’ pode ser mais comum do que parece através da galáxia.

*Com informações da AFP.