Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,02
    +0,06 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.770,70
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    64.175,99
    +2.406,03 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.486,85
    +23,49 (+1,61%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.482,82
    +267,30 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    15.378,50
    -20,00 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5115
    +0,0153 (+0,24%)
     

Planetas "órfãos" podem ter oceanos líquidos que permitam existência de vida

·2 minuto de leitura

Em meio aos milhares de candidatos a exoplanetas já descobertos, há aqueles que são “órfãos”, ou seja, que viajam livremente pelo espaço sem estarem gravitacionalmente presos a nenhuma estrela. Embora não tenham nenhum astro os aquecendo, uma equipe de cientistas considera que, mesmo vagando pelo frio do espaço interestelar, eles podem oferecer condições que permitam a existência de vida.

Manasvi Lingam, astrobiólogo e um dos autores de um novo estudo, tem grande interesse nas possibilidades para a vida que esses planetas “órfãos” podem ter, e observou que, para cada sistema estelar descoberto, há entre 30 e 40 planetas viajando pelo espaço interestelar. “Normalmente, pensamos em planetas presos a estrelas, como Marte, que possam abrigar vida; na realidade, esses tipos de planetas amigáveis para a vida podem estar flutuando livremente pelo espaço com biosferas ricas”, explica ele.

Para um dos autores, o exoplaneta mais próximo na Terra a ser identificado pode ser órfão (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-CALTECH)
Para um dos autores, o exoplaneta mais próximo na Terra a ser identificado pode ser órfão (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-CALTECH)

Assim, os autores estudaram as possibilidades de sobrevivência da vida em um planeta órfão através de oceanos líquidos sob uma espessa camada de gelo, que, talvez, permitam a existência de vida. Embora o espaço interestelar seja frio demais para esses oceanos se manterem em estado líquido, os autores acreditam que a camada de gelo poderia servir como proteção para a biosfera, e que o núcleo do planeta poderia aquecê-lo.

Agora, os próximos passos do estudo envolvem experimentos para os autores descobrirem as condições através das quais a vida poderia sobreviver, como temperaturas ou pressão baixas demais — uma forma de fazer isso é estudar microrganismos que vivem sem a necessidade de luz solar. Além disso, eles pretendem também analisar planetas do tipo conforme passam pelo Sistema Solar para, assim, pesquisar as condições do planeta e descobrir se poderiam facilitar a ocorrência de vida.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista International Journal of Astrobiology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos