Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.580,20
    -352,67 (-1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Placa Mercosul | Mudanças para evitar clonagens devem ser feitas em breve

Alguns estados estão efetuando mudanças na Placa Mercosul para evitar clonagens e fraudes nas chapas, algo frequente depois da adoção do novo padrão, em 2018. Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Sergipe e Rio Grande do Norte foram alguns que já trabalham em alterações nas placas.

Uma das soluções adotadas pelos estados foi a implementação de uma verificação por biometria e reconhecimento facial. Como houve a liberação de muitas empresas para a emissão das placas, a segurança diminuiu e os custos aumentaram. Para evitar as fraudes, o técnico que efetuar a instalação da chapa no carro terá que gravar sua face e digitais no sistema.

O primeiro projeto da Placa Mercosul (Imagem: Divulgação/ Detran)
O primeiro projeto da Placa Mercosul (Imagem: Divulgação/ Detran)

Além do técnico, quem vai precisar efetuar um cadastro mais elaborado será o proprietário do veículo. A identificação, nesse caso, é realizada a partir da imagem de um documento oficial, também aliada à biometria facial. O próximo passo, segundo os Detrans (Departamentos Estaduais de Trânsito) desses estados, é fazer uma ficha mais completa do veículo em si.

Novo padrão favoreceu crimes

Desde quando foi lançada aqui no Brasil, a placa Mercosul passou por leves mudanças que, segundo autoridades, facilitaram para que o nível de clonagens e fraudes aumentasse. Segundo a Associação Nacional dos Detrans (AND), a remoção do lacre, brasão dos municípios, ondas sinusoidais e efeito difrativo no acabamento ajudaram os criminosos.

Essas remoções aconteceram para facilitar que mais empresas pudessem fazer as placas. Contudo, com pouca fiscalização, isso serviu para que as fraudes aumentassem.

Atualmente, as placas custam de R$ 150 a R$ 320 para serem confeccionadas e colocadas. Com mais recursos de segurança, os preços podem subir. Ainda não há a previsão para que outros estados tomem as mesmas medidas das unidades citadas acima.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: