Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.057,89
    -89,31 (-0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Placa em homenagem a Marielle Franco é inaugurada no RJ

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018, é inaugurada em frente à Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Por Paulo Pacheco

Neste domingo (14), dia em que o assassinato da vereadora Marielle Franco completa três anos, uma placa com seu nome foi inaugurada em frente à Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Leia também:

A placa, idêntica à de identificação de ruas e avenidas da cidade, traz as seguintes inscrições: “(1979-2018). Mulher negra, favelada, LGBT e defensora dos direitos humanos” e “Brutalmente assassinada em 14 de março de 2018 por lutar por uma sociedade mais justa”.

Participaram da inauguração familiares de Marielle e o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Monica Benicio, viúva da vereadora e eleita para o mesmo cargo em 2020, agradeceu ao prefeito Eduardo Paes (DEM) pela homenagem. Ele também esteve no evento.

“Agradeço ao prefeito pela homenagem; a placa será permanente e tem como objetivo manter viva a memória: para que nunca se esqueça, para que nunca mais aconteça”, escreveu a vereadora no Twitter.

Marielle foi vítima de um atentado no Estácio, região central do Rio, em 14 de março de 2018. Seu motorista, Anderson Gomes, também foi morto a tiros na emboscada. Três anos depois, não há respostas sobre os mandantes e o porquê da parlamentar e de seu motoristas terem sido assassinados.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.