Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.055,13
    -677,10 (-1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Plástico deve ficar mais caro com furacão na Costa do Golfo

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Já em níveis recordes, os preços dos plásticos devem avançar ainda mais com a tempestade que, segundo previsões, se transformará em um grande furacão na Costa do Golfo dos EUA, que produz quase 20% do etileno mundial.

A tempestade tropical Ida está ganhando força e deve chegar ao estado de Louisiana na tarde de domingo com ventos de 185 km/h. Fábricas de químicos pertencentes à Exxon Mobil, Dow e outras ficam na área mais vulnerável ao furacão, colocando sob ameaça a oferta de polímeros usados em milhares de produtos, como embalagens de xampu e tubos para encanamentos.

Contratos de polipropileno, polietileno de alta densidade e PVC na Costa do Golfo já são negociados nos maiores patamares em registro após o clima congelante em fevereiro, enquanto a demanda por bens de consumo segue forte.

A tonelada do polipropileno — usado em móveis, produtos de limpeza, carpetes e outros produtos — pode saltar quase 45% para US$ 4.000 se boa parte da capacidade produtiva ficar paralisada por mais de três semanas, calcula Jeremy Pafford, responsável por desenvolvimento de mercado na América do Norte para a provedora de dados ICIS.

“Interrupções de longo prazo induzidas pelo clima tropical podem alimentar aumentos estratosféricos nos preços, que vão onerar cadeias de suprimentos e consumidores”, disse Pafford. “Como a maior parte da capacidade de produção de commodities do segmento de resina plástica nos EUA se localiza no litoral do Texas e da Louisiana, um episódio devastador pode causar meses de escassez de polietileno, polipropileno e/ou poliestireno.”

O hub petroquímico dos EUA passou boa parte de 2021 tentando se recuperar de paralisações prolongadas decorrentes da tempestade de fevereiro. A restrição de oferta foi agravada pelo aumento da demanda por manufaturados e embalagens. As limitações no transporte marítimo global também prejudicaram as cadeias de suprimentos de produtos químicos, impulsionando os preços.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos