Mercado abrirá em 3 h 42 min

Plástico é ‘herói’ da pandemia de coronavírus, diz setor

Leslie Kaufman
Foto: Getty Images

Em 18 de março - uma semana após a Organização Mundial da Saúde ter declarado o Covid-19 uma pandemia -, Tony Radoszewski, no comando do principal grupo de lobby do setor de plásticos nos EUA, enviou a Alex Azar, secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, uma carta com uma mensagem contundente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A proibição de itens de uso único havia proliferado nos estados e cidades. Mas, com o vírus ameaçando vidas e meios de subsistência americanos, disse, a situação havia chegado ao limite.

Leia também

“Produtos plásticos de uso único são a escolha mais higiênica em muitas aplicações, especialmente no consumo e transporte de alimentos, sejam comprados em restaurante ou em supermercado”, escreveu. “Pedimos que o departamento se posicione contra a proibição desses produtos como um risco à segurança pública e ajude a interromper a corrida para proibir esses produtos.”

Os lobistas do plástico estiveram por todas as partes durante a pandemia, divulgando o papel que seus produtos desempenham em manter alimentos, profissionais de saúde e famílias em segurança. Os primeiros números indicam que os esforços estão sendo recompensados. Em abril, a Ineos Styrolution Group, da Alemanha, e a Trinseo, com sede nos EUA, registraram aumento percentual de dois dígitos das vendas nas divisões de embalagem de alimentos e assistência médica.

“Essas empresas aproveitaram o momento, principalmente para reverter coisas como a proibição de sacolas plásticas”, diz Steven Feit, advogado da equipe do Center for International Environmental Law. “Alguns analistas estão falando sobre embrulhar tudo em plástico, inclusive bananas, e é certamente isso que a indústria está buscando.”

É uma grande virada para um setor que, apenas alguns meses atrás, parecia um pária. Sob pressão de investidores e consumidores, empresas estabeleciam metas para reduzir a dependência de embalagens plásticas, como a Coca-Cola, que por dois anos seguidos foi considerada a maior poluidora do mundo pelo grupo de defesa Break Free From Plastic. Mais de 125 países têm algum tipo de proibição contra plásticos, de acordo com um relatório 2018 do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e do Instituto de Recursos Mundiais.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.