Mercado fechará em 3 h 43 min
  • BOVESPA

    109.310,91
    +334,20 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.834,46
    +165,82 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,24
    -1,04 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.747,80
    -6,20 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    16.206,06
    -337,23 (-2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,22
    -1,07 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.004,16
    -21,96 (-0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.206,50
    -140,53 (-0,41%)
     
  • FTSE

    7.474,97
    -11,70 (-0,16%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.745,00
    -37,75 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6152
    -0,0092 (-0,16%)
     

Pix ultrapassa transações per capita de sistemas similares em outros países

O Pix já ultrapassa a marca de 100 transações per capita no ano, se consolidando como um dos principais meios de pagamento instantâneo. Em um documento, o Banco Central disse que, sob a perspectiva internacional, o uso do Pix também impressiona, alcançando patamares que outros países nunca chegaram.

Segundo dados do Banco Central, até o mês de outubro, foram 101 transações anuais contra 49 na Dinamarca, que possui um sistema de pagamentos similar ao Pix há cinco anos, e 31 transferências no Reino Unido, cuja ferramenta já é usada há 11 anos.

A ferramenta, que é um sucesso completo no Brasil, completou dois anos na última quarta-feira (16) com R$ 14 trilhões em mais de 28 bilhões de transações. O banco evidencia o papel de vetor da inclusão financeira do Pix, visto que desde o lançamento, 130 milhões de pessoas já usaram o Pix, sendo que 64 milhões nunca fizeram uma TED antes.

Adesão do Pix continua crescendo

No fim de 2021, o Pix já era o meio de pagamento eletrônico mais usado no país. Segundo o BC, a quantidade de transações continua crescendo aceleradamente em 2022. A maioria das transferências ainda é entre pessoas físicas (67%), mas a autarquia ressalta o crescimento nos pagamentos entre empresas e pessoas (de 5% para 23%), com destaque para o uso do QR Code (de 6% para 19%).

Para Renato Dias Gomes, diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do BC, o Pix nasceu como o pagamento instantâneo brasileiro, mas hoje já é muito mais que isso: “ele possibilita agendamento de transações, pagamentos de contas com vencimento e retirada de dinheiro em espécie”.

“O ambiente competitivo no qual o Pix está inserido e a infraestrutura provida pelo Banco Central como agente neutro possibilitam um ambiente de maior eficiência, inclusão e redução de custos, impactando positivamente os usuários e, em última instância, a economia brasileira”, completou Gomes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: