Mercado fechará em 3 h 54 min
  • BOVESPA

    130.711,94
    +1.270,91 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.212,50
    -73,96 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    +0,51 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.866,50
    -13,10 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    40.536,07
    +4.475,32 (+12,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,33
    +40,49 (+4,18%)
     
  • S&P500

    4.237,38
    -10,06 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    34.250,54
    -229,06 (-0,66%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.040,50
    +46,25 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1319
    -0,0607 (-0,98%)
     

Pix tem a confiança de quase 80% dos brasileiros

·1 minuto de leitura
Índice de confiabilidade do Pix pode variar conforme a idade
Índice de confiabilidade do Pix pode variar conforme a idade

Um estudo do Capterra, plataforma de busca e comparação de softwares, revelou que o Pix conquistou a simpatia de grande parte dos brasileiros: 76% dos usuários declararam ter um alto grau de confiança no sistema de pagamentos instantâneos.

Leia também:

Lançado em novembro de 2020 pelo Banco Central (BC), o Pix tem um índice de confiabilidade que varia conforme a idade: 85% dos entrevistados com idade entre 18 e 22 anos ressaltaram ter alta confiança no Pix. Já entre os entrevistados na faixa etária de 56 a 65 anos, esse índice cai para 71%.

Quanto aos valores das transações, 68% dos consultados afirmaram que têm alta confiança no Pix para a transferência de quantias maiores, 27% disseram ter uma confiança média e 5% falaram que têm baixa confiança.

Sobre quem gere o sistema, 68% dos entrevistados creem que os bancos são responsáveis pelo Pix, 22% responderam corretamente que é o Banco Central do Brasil e 10% declararam não saber quem mantém o Pix.

Pelo menos 51% dos usuários responderam que usam o Pix até quatro vezes por mês, número que deve aumentar, já que 84% dos entrevistados responderam que podem alterar a forma de pagamento caso o estabelecimento aceite pagamentos pelo sistema.

O levantamento ouviu 1.012 entrevistados, de todas as regiões do Brasil, entre os dias 12 e 18 de maio.