Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.857,96
    +205,84 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Pix será devolvido em caso de fraude ou erro, diz BC

·1 minuto de leitura
Conforme anunciou hoje o Banco Central, a devolução poderá ser iniciada pela instituição do usuário recebedor, por iniciativa própria, ou por solicitação da instituição do usuário pagador
Conforme anunciou hoje o Banco Central, a devolução poderá ser iniciada pela instituição do usuário recebedor, por iniciativa própria, ou por solicitação da instituição do usuário pagador

A partir de novembro, quem for usuário do sistema Pix vai poder contar com uma mecanismo de devolução de dinheiro em caso de fraude ou falha. Conforme anunciou hoje o Banco Central, a devolução poderá ser iniciada pela instituição do usuário recebedor, por iniciativa própria, ou por solicitação da instituição do usuário pagador. As informações são do Money Times.

Caso haja uma devolução, a instituição bancária deve notificar o usuário em relação ao débito na conta. A transação também constará no extrato das movimentações. A norma está prevista para valer a partir do dia 16 de novembro.

Leia também:

Segundo o BC, o Pix já permite que o usuário que recebeu o dinheiro devolva a quantia, seja total ou parcial. A nova medida garantirá uma previsão para que as empresas façam a devolução em eventuais casos de fraude ou falha operacional.

Lançado em novembro de 2020 e já superou a marca de R$ 2 bi de transações, movimentando R$ 1,4 trilhão até 31 de maio.