Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    36.564,81
    -3.345,72 (-8,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Pix saque e Pix troco começam hoje e são alternativa ao caixa eletrônico. Veja como vão funcionar

·2 min de leitura

BRASÍLIA — Duas novas funcionalidades do Pix entram em vigor nesta segunda-feira (dia 29). Os chamados Pix Saque e Pix Troco permitirão que os brasileiros saquem dinheiro vivo em lojas e outros estabelecimentos comerciais, como padarias e mercados, como num caixa eletrônico.

Ao chegar no caixa de uma loja, o cliente fará um Pix para o estabelecimento. A atendente então pegará o mesmo valor do Pix em dinheiro vivo no caixa e dará ao cliente.

A transação é bem parecida, mas aqui o cliente faz uma compra e um saque na mesma transação.

Por exemplo: ao pagar por um produto de R$ 100, ele faz um Pix em um valor maior, de R$ 150, e retira a diferença (R$ 50) em espécie. Isso evitaria uma ida ao banco para sacar R$ 50 em caixas eletrônicos.

Em outro exemplo, se comprar um produto de R$ 20, ele faz um Pix de R$30 e recebe uma cédula de R$ 10.

Mudança:

Atualmente, pessoas físicas e empresários individuais — incluindo microempreendedores individuais (MEIs) —têm, no pacote de serviços de seus bancos, direito à gratuidade para os quatro primeiros saques do mês.

Com o Pix Saque serão oito saques gratuitos, contando com os quatro que já eram previstos. Ou seja, cada pessoa terá direito a oito saques gratuitos por mês, via Pix ou de forma convencional, num caixa eletrônico.

Depois dessa oitava transação, o banco poderá cobrar uma taxa do cliente. No entanto, a taxa do saque via Pix não pode ser maior que a cobrada pelo banco em saques convencionais.

Já pessoas jurídicas como as empresas podem ser cobradas desde a primeira transação no mês, a critério do banco.

O BC estabeleceu um limite de R$ 500 para o período diurno e de R$ 100 das 20h às 6h. Os comércios poderão ofertar limites menores caso considerem adequado.

Qualquer estabelecimento comercial que ofertar o Pix como opção de pagamento poderá oferecer o Pix Saque ou Pix Troco.

As opções também devem estar disponíveis em caixas eletrônicos. Uma pessoa que tenha conta no banco A poderá sacar no caixa eletrônico do banco B via Pix. Esse saque conta como um dos oito gratuitos mensais.

Não, cada estabelecimento decidirá se oferece ou não o serviço.

Sim, o estabelecimento poderá oferecer apenas um ou outro.

O Banco Central espera que os comércios que ofertarem o serviço tenham aumento no fluxo de clientes e reduzam seus gastos com a movimentação do dinheiro, por exemplo, com a contratação de carros-forte.

Além disso, quem disponibilizar o serviço receberá uma remuneração que pode variar de R$ 0,25 a R$ 0,95 dependendo do contrato com a instituição financeira parceira.

Ele poderá procurar a instituição financeira que o atende e pedir para aderir. Segundo o BC, basta um ajuste contratual para oferecer o Pix Saque e o Pix Troco.

O comerciante também poderá definir como ofertará o serviço, em que horário ele estará disponível e quais as cédulas poderão ser sacadas em seu estabelecimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos