Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.619,27
    +1.309,06 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Pix poderá se tornar identidade digital, diz Campos Neto

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou que o Pix, serviço de pagamentos instantâneos brasileiro, poderá evoluir para outras funcionalidades e eventualmente se tornar uma espécie de identidade digital. "A gente entende que pode expandir isso [o Pix] para melhorar ainda mais a qualidade de vida das pessoas com serviços públicos e eventualmente até se tornando uma identidade digital, como foi feito na Índia", disse durante evento virtual promovido pela Embaixada da Índia nesta quarta-feira (14). "O projeto pode ter outras dimensões. Temos desenvolvido novas funcionalidades no Pix que vêm da interação com a sociedade, de entender as demandas. Podemos expandir a plataforma para ter maior ganho de eficiência", completou. O BC não detalhou como seria a identidade digital vinculada ao Pix e se poderia substituir o documento oficial. Segundo ele, rápida adesão das pessoas ao sistema de pagamentos instantâneos foi uma surpresa. "Esperávamos algo como 20 milhões em seis meses e isso foi feito em poucos dias. Hoje temos 206 milhões de chaves [no Pix]", afirmou. Campos Neto ressaltou ainda que a digitalização pode tornar serviços públicos mais eficientes e menos burocráticos. Para Campos Neto, o movimento começou nos meios de pagamentos, mas pode evoluir para novos modelos de negócios e para a prestação de serviços, inclusive públicos. "Isso pode evoluir para ser um modelo de prestação de serviços do governo, no qual se presta mais serviços de forma digital, mais barata e com menos burocracia. As pessoas podem contratar serviços, abrir contras, pedir recursos e outras coisas do dia a dia", avaliou. Ele afirmou também a autoridade ainda acerta "pequenos detalhes" de como será a moeda digital brasileira. Estão em discussão, destacou, se ela será remunerada e rastreável, bem como se o BC será o único emissor. Campos Neto afirmou que tem conversado com autoridades monetárias de outros países e que deve haver coordenação entre os bancos centrais. O presidente do BC afirmou que o open banking, ou sistema financeiro aberto, possibilitará aos clientes receber ofertas de produtos e serviços mais adequados ao seu perfil e mais baratos. Além disso, a ferramenta abrirá caminho para novos modelos de negócio dentro do sistema financeiro. O open Banking está em implementação no Brasil desde o início deste ano e vai permitir que o consumidor compartilhe seus dados e escolha produtos financeiros mais vantajosos em uma única plataforma. Mais tarde, em evento promovido pelo Itaú BBA, o diretor de Regulação do BC, Otavio Damaso, afirmou que considera o processo de open banking inevitável. "Quem ainda não fez o movimento eventualmente vai ter que fazer e, talvez, com atraso, o que pode ser prejudicial", afirmou.