Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,27
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.778,80
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    33.428,49
    -326,82 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    802,03
    -8,16 (-1,01%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.839,59
    -35,30 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    14.294,00
    +31,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9299
    +0,0014 (+0,02%)
     

Pix passa a ter sistema de devolução de valores para evitar fraudes

·3 minuto de leitura

O Banco Central (Bacen) estabeleceu que o Pix contará com um Mecanismo Especial de Devolução de valores quando houver suspeita de fraude. A regulamentação desse sistema foi publicada hoje (09) no Diário Oficial da União (DOU), mas as regras só passaram a valer a partir de novembro deste ano.

De acordo com a Resolução do Bacen nº 103/ 2021, o novo sistema de devolução do Pix irá possibilitar que a própria instituição de pagamento da pessoa que fez a transferência dos valores desfaça a transação quando houver a fundada suspeita de fraudes.

O mesmo poderá ocorrer nos casos em que haja falha operacional nos sistemas das instituições envolvidas na transação.

Essa medida, porém, não poderá ser tomada quando houver “controvérsias relacionadas a aspectos do negócio jurídico subjacente à transação de pagamento”. E, ainda que haja suspeita de fraudes, a instituição de pagamento do usuário pagador também não poderá fazer a devolução de valores quando os recursos das transações forem destinados à conta transacional de um terceiro de boa-fé.

A devolução ainda pode ser feita pelas instituições de pagamento do usuário devedor, por iniciativa própria, quando ela verificar suspeita de conduta fraudulenta ou ocorrer a falha operacional em seus sistemas.

Essas medidas de devolução de valores, porém, não deverão ser efetuadas sem a prévia e expressa autorização do usuário recebedor quando este contemplar a possibilidade de bloqueio dos recursos mantidos na conta transacional. Esse bloqueio pode ser feito em uma ou mais parcelas até que se atinja o valor total da transação.

A autorização, porém, deverá ser feita por meio de um contrato com o correspondente prestador de serviço de pagamento.

Mudanças do Pix anunciadas pelo Bacen

O Bacen já havia anunciado, ontem (08), a medida que irá padronizar “as regras e os procedimentos para viabilizar a devolução de valores pelo prestador de serviço de pagamento (PSP) do usuário recebedor, por iniciativa própria ou por solicitação do PSP do usuário pagador”.

Segundo o órgão, essa devolução ocorrerá nos casos em que exista fundada suspeita de fraude, além das falhas operacionais nas instituições. Essa nova medida irá facilitar o processo de devolução de valores diante desses casos em que as instituições ainda precisam estabelecer procedimentos bilaterais para efetuar essas correções nas transações.

Para o Bacen, o excesso de burocracia nesses casos apenas dificulta o processo e aumenta o tempo necessário para que o caso seja analisado e finalizado, reduzindo a eficácia das devoluções.

Apesar de a resolução trazer a criação de um sistema de devolução de valores para outras situações, em que o usuário recebedor possa fazer a devolução parcial ou total da transação, o Banco Central já havia mencionado que esse ponto já não era novidade no sistema Pix.

“Desde o lançamento do Pix, está disponível uma funcionalidade que permite que o usuário recebedor devolva, total ou parcialmente, os valores de uma transação. Entretanto, não havia previsão de que a devolução fosse iniciada pela instituição de relacionamento do usuário recebedor”.

Restrições à devoluções no Pix

Com a nova regra, passa a ser permitida, no sistema de devolução comum, “a realização de múltiplas devoluções parciais de uma mesma transação, até que se alcance o valor total a ser devolvido.”

A questão, porém, é que tanto no sistema comum de devolução bem como no Mecanismo Especial de Devolução de valores, o procedimento somente deverá ser iniciado 90 dias contados da data em que foi efetuada a transação original.

Além disso, será necessário que haja “a existência de recursos suficientes na conta transacional do usuário recebedor, nos termos do contrato mantido com o correspondente participante prestador de serviço de pagamento”.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos