Mercado abrirá em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,36
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.813,40
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.476,32
    -1.025,16 (-2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    934,05
    -26,85 (-2,79%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.111,15
    +29,43 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.979,00
    +26,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1521
    +0,0080 (+0,13%)
     

Pix já supera a soma de pagamentos em TEDs, DOCs, cheques e boletos

·2 minuto de leitura

Em pouco mais de sete meses, o sistema de pagamento instantâneo Pix tomou o lugar de outras formas de transferência de dinheiro. “A quantidade de Pix superou a quantidade de TEDs, DOCs, cheques e boletos somados em número de operações”, informa Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil (Bacen).

Segundo ele, aproximadamente 73 milhões de brasileiros já usaram a opção. “Ou seja, cerca de 46% da população adulta do Brasil já usou o Pix em algum momento”, calcula. Atualmente, o Pix registra 254,3 milhões de chaves cadastradas — 87,8 milhões de pessoas físicas e 5,8 milhões de empresas. O executivo diz, ainda, que outras funcionalidades da tecnologia, como o Pix Saque e o Pix Troco, devem chegar neste segundo semestre.

Todo o sucesso da plataforma de pagamentos tem levado à criação de golpes que buscam aproveitar as características do sistema de forma criminosa. As técnicas usadas nessas práticas são as mais abrangentes possíveis. Por isso, é preciso ficar atento. Veja, a seguir, algumas dicas do especialista em tecnologia e segurança digital Arthur Igreja:

  • Sempre verifique a identidade de quem está solicitando o Pix;

  • Na hora de efetivar a transação, fique atento: os aplicativos estão cada vez mais fáceis de utilizar e o usuário, muitas vezes, seleciona ‘Confirmar’ sem nem perceber que está transferindo recursos para um nome que não conhece;

  • Alguns sites já estão adotando pagamento por Pix. Nesse caso, se o usuário estiver em um ambiente falso, o dinheiro vai para a conta do golpista;

  • É fundamental confirmar o limite disponível para transferência por Pix com a instituição financeira. Às vezes, o próprio usuário comete um erro de digitação e atribui a perda a um golpe;

  • Usuários que não têm familiaridade com o Pix, podem treinar o uso do recurso. Uma boa ideia é fazer um Pix de R$ 1 para um conhecido para testar a funcionalidade. E, se quiser, pode até pedir o dinheiro de volta, já que o processo é gratuito.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos