Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.305,91
    -3,27 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

'Pix internacional' permitirá transferências entre mais de 60 países

'Pix internacional' permitirá transferências entre mais de 60 países. Foto: Getty Images.
'Pix internacional' permitirá transferências entre mais de 60 países. Foto: Getty Images.
  • O mecanismo de transferência de valores similar ao Pix que permitirá transações instantâneas em mais de 60 países;

  • O projeto Nexus visa conectar os sistemas nacionais de pagamentos “em uma plataforma transfronteiriça”;

  • Objetivo é integrar todos os países que já têm algum sistema instantâneo de pagamento e transferência, como o Brasil.

O Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), organização que visa promover cooperação entre os bancos centrais do mundo, já está testando um mecanismo de transferência de valores similar ao Pix que permitirá transações instantâneas em mais de 60 países.

Intitulado Nexus, o projeto do BIS almeja conectar os sistemas nacionais de pagamentos “em uma plataforma transfronteiriça”.

Leia também:

O mecanismo vem sendo desenvolvido pelo hub de inovação da organização internacional, e atualmente está em fase de prova de conceito: testes estão sendo feitos com sistemas de pagamento da Malásia, de Singapura e de nações da Zona do Euro, por meio do Banco da Itália.

Enquanto isso, o projeto do Pix internacional do Banco Central do Brasil se encontra em fase de análise de modelos.

Segundo o chefe adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro da entidade, Carlos Eduardo Brandt, há duas alternativas para desenvolver o projeto.

A primeira inclui acordos bilaterais entre países, enquanto a segunda envolve arranjos multilaterais, assim como na situação do Nexus.

*As informações são do BIS.