Mercado fechará em 4 h 33 min
  • BOVESPA

    116.641,24
    +411,12 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.645,27
    -401,31 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,58
    +1,06 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.716,70
    -13,80 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.940,03
    -146,04 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,32
    -7,09 (-1,55%)
     
  • S&P500

    3.739,79
    -51,14 (-1,35%)
     
  • DOW JONES

    30.004,40
    -311,92 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.034,06
    -52,40 (-0,74%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.413,00
    -227,75 (-1,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1472
    -0,0207 (-0,40%)
     

Pix alcança boleto e se torna o 2º meio de pagamento mais usado online

Enquanto algumas lojas incentivam o uso do Pix, outras temem encarar os desafios que acompanham a modalidade (Cris Faga/NurPhoto via Getty Images)
Enquanto algumas lojas incentivam o uso do Pix, outras temem encarar os desafios que acompanham a modalidade

(Cris Faga/NurPhoto via Getty Images)

  • Pix é o 2º meio de pagamento mais usados no e-commerce;

  • Sistema instantâneo divide a posição com o boleto;

  • Cartão de crédito ainda ocupa o primeiro lugar.

O Pix passou a dividir, junto com o boleto, o 2º lugar entre os meios de pagamento mais usados no e-commerce após bater recorde em aceitação nas maiores lojas online do país. Os dados são da edição mais recente do Estudo de Pagamentos Gmattos, antecipado ao portal Valor Econômico.

O cartão de crédito segue na liderança, mas enfrenta mudanças significativas, já que menos lojistas estão dispostos a aceitar parcelamento de 12 vezes sem juros – uma forma de incentivar os consumidores a pagarem suas compras em menos vezes. Ainda assim, cerca de 98,3% dos varejistas trabalham com a modalidade, enquanto Pix e boleto estão em 78% das lojas analisadas.

De acordo com a Gastão Mattos, CEO da consultoria, o Pix tem capacidade para alcançar 92% e se tornar a forma preponderante de pagamento à vista para os lojistas. O estudo considerou 59 lojas online, que juntas representam 85% do comércio.

Desafios e incentivos

Mattos aponta que as lojas que ainda não oferecem Pix se enquadram em um dos seguintes cenários: ou já trabalham com modalidades de pagamento à vista e não priorizam o sistema instantâneo por dificuldades, como integração tecnológica, ou fazem apenas operações a prazo, como é o caso de companhias aéreas.

Além disso, ainda há alguns desafios para a maior adesão do modelo. Maurício Salvador, presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABcomm), explica ao Valor que o primeiro deles é a grande aceitação do parcelamento sem juros. O segundo é o número de fraudes envolvendo o Pix. “Fica muito mais difícil para o consumidor reaver o dinheiro se ele tiver algum problema. No cartão, o processo de ‘chargeback’ [cancelamento da compra] está consolidado”. Somam-se a isso os vazamentos de dados, que atingiram cerca de 580 mil chaves.

Em contrapartida, há um aumento no incentivo, por parte dos vendedores, para que os clientes usem mais o Pix. Cerca de 24% das lojas on-line que aceitam essa forma de pagamento oferecem descontos, que podem ir de 3% a 10%.

Ainda que esteja em crescimento, o Pix não tira o lugar do boleto, ainda amplamente aceito no e-commerce. Quem sai prejudicado é o débito, meio de pagamento que nunca foi plenamente usado nas compras online.