Mercado fechará em 1 h 10 min
  • BOVESPA

    122.098,09
    +1.749,30 (+1,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.245,68
    +353,40 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,13
    -0,23 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.836,20
    +6,30 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    35.685,55
    -373,34 (-1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,53
    -40,61 (-5,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.806,75
    +4,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3611
    -0,0315 (-0,49%)
     

Pirataria aumentou 20% em 2020

·1 minuto de leitura
O Golfo da Guiné, que se estende de Senegal a Angola, passando por Nigéria, tornou-se nos últimos anos o novo epicentro da pirataria mundial.

O número de atos de pirataria contra navios aumentou 20% no ano passado, devido ao número recorde de sequestros em águas da África Ocidental, informou a Organização Marítima Internacional (OMI) em relatório publicado nesta quarta-feira (13).

No total, foram registrados 195 atos de pirataria e assaltos à mão armada, ante 162 registrados em 2019, indicou a OMI, órgão da ONU especializado em segurança e proteção à navegação, com sede em Kuala Lumpur.

Dos 135 marinheiros sequestrados no mundo, 130 foram sequestrados no Golfo da Guiné, em águas da África Ocidental, o que é um recorde nesta área.

Esta zona, que inclui o Golfo da Guiné e que vai da costa do Senegal à de Angola, passando pela Nigéria, tornou-se nos últimos anos o novo epicentro da pirataria mundial.

O aumento de sequestros mostra "o crescimento da capacidade dos piratas no Golfo da Guiné, com mais ataques e mais longe da costa", disse o diretor da OMI, Michael Howlett, citado no relatório anual.

Os piratas passaram de ataques a petroleiros a sequestros de marinheiros em troca de resgates, disse Noel Choong, chefe do centro de monitoramento de pirataria da OMI.

O Golfo da Guiné tornou-se mais perigoso do que o Golfo de Aden, nas águas da Somália, local que durante muito tempo concentrou da maioria dos atos de pirataria.

Os países da África Ocidental, com a ajuda da França e dos Estados Unidos, vêm tentando há vários anos melhorar seus meios de intervenção e colaboração na área.

A pirataria nesta zona, onde estão dois dos maiores produtores de petróleo da África, Nigéria e Angola, tem alterado significativamente as rotas marítimas internacionais.

jsm/sr/lgo/ayv/eg/bl/mr