Mercado abrirá em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    106.373,87
    -553,92 (-0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,20
    +1,38 (+1,65%)
     
  • OURO

    1.809,20
    -7,30 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    41.962,75
    -855,80 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,95
    -21,78 (-2,12%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.541,70
    -69,53 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.333,00
    -262,75 (-1,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2938
    0,0000 (0,00%)
     

Pirâmide financeira: saiba como funciona esse tipo de fraude

Human crowd forming a pyramid symbol on white background. Horizontal  composition with copy space. Clipping path is included. Hierarchy concept.
Pirâmides financeiras são proibidas no Brasil (Getty Images)

Muita gente já ouviu falar de pirâmide financeira e de pessoas que tiveram grandes perdas - ou lucros - com essa prática. Mas afinal, o que é pirâmide financeira e por que sua prática desperta tanta controvérsia?

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Na prática, a pirâmide financeira é um modelo de negócios baseado na inclusão progressiva de novos membros financiadores em níveis ou “degraus” cada vez mais baixos. Quem está nos níveis mais altos recruta membros que para os níveis inferiores, ganhando comissões por essas novas inclusões - e eventualmente parte dos ganhos obtidos pelos seus “recrutados”.

O caso do investidor Bernard Lawrence Madoff, que teria dado prejuízos de mais de R$ 65 bilhões a centenas de pessoas, é a maior fraude financeira individual da história. Madoff, que foi membro da National Association of Securities Dealers (NASD), organização que autorregula a indústria de ativos financeiros norte-americanos, teve seus bens congelados, foi condenado a 150 anos de prisão e terá que pagar indenizações de U$ 117 milhões.

Leia também

As pirâmides financeiras sempre desmoronam

Com o tempo, esse modelo entra em colapso e a pirâmide financeira desmorona. O motivo beira o óbvio: não há geração nem multiplicação de ganhos, o dinheiro investido apenas percorre toda a pirâmide, na direção de baixo para cima. Os níveis inferiores - a base - precisam de cada vez mais membros à medida que o tempo passa.

Ou seja, em determinado momento não haverá membros suficientes na base. Assim, o dinheiro para de entrar, os rendimentos prometidos não são pagos e é o fim de mais um esquema de pirâmide financeira. A prática é ilegal e configura crime contra a economia pública, previsto na lei nº 1.521/51. A pena vai de 6 meses a dois anos de prisão.

Pirâmide financeira x Marketing multinível

O marketing multinível já foi chamado de “o grande modelo de negócio do século XXI”, apesar de suas semelhanças com o esquema de pirâmide financeira. No entanto, o marketing multinível é legal, ao contrário da pirâmide financeira. A diferença entre os dois pode ser sutil, mas é fundamental.

No marketing multinível há necessariamente um produto a ser vendido, e empresas como Avon utilizam este modelo. Nele, cada membro é remunerado pelas vendas do produto e também recebem porcentagem pelas vendas feitas pelos membros por ele recrutados. Não há remuneração por simples indicação.

Fique de olho em promessas de ganhos fáceis e rápidos

Mas não é somente a existência de um produto à venda que deixa de caracterizar um esquema de pirâmide financeira. Muitas das pirâmides usam a venda de produtos justamente para disfarçar. Portanto, o melhor a fazer é sempre desconfiar de investimentos que prometem ganhos muito acima da média. Quase sempre não passam de golpe.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos