Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.339,64
    -154,19 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2028
    -0,1209 (-2,27%)
     

Piores títulos de aéreas estão na AL com alta do dólar

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A subida implacável do dólar virou uma dor de cabeça para os detentores de títulos de dívida de companhias aéreas latino-americanas.

Bonds denominados em dólares de operadoras da região lideraram perdas no setor no último mês, em meio a uma forte desvalorização das moedas da região frente ao dólar. Não só ficou mais caro viajar para o exterior, como o custo do serviço da dívida aumentou para as companhias aéreas. A fraqueza das moedas foi suficiente para compensar uma queda modesta do petróleo, que ainda registra alta de mais de 30% nos últimos 12 meses, e um aumento da demanda que lotou aeroportos em todo o mundo.

A Gol e a Azul foram as maiores perdedoras, com títulos de dívida externos caindo até 25% no último mês. Elas também tiveram os piores desempenhos entre os bonds corporativos em dólares do país. O real caiu cerca de 3% em relação ao dólar nesse período, aproximando-se de apagar os ganhos acumulados no ano, que chegaram a ser os maiores do mundo. As moedas dos mercados emergentes estão sob pressão em meio às previsões de uma recessão global à frente.

“O sentimento é péssimo”, disse Ray Zucaro, diretor de investimentos da RVX Asset Management. “Fraqueza de moedas, dívida em dólar, custos mais altos de combustível e desaceleração econômica são uma receita para um voo turbulento à frente.”

Em outros países da região, a Aeroméxico e a Avianca também tiveram desempenho inferior à média dos pares globais. Os títulos em dólar da aérea mexicana com vencimento em 2027 caíram 4,9%, enquanto os da colombiana com vencimento em 2028 caíram 3,7%, ante queda média de 0,7% na dívida de companhias aéreas globais, segundo dados compilados pela Bloomberg.

As companhias aéreas acumularam enormes perdas durante a pandemia, pois foram forçadas a estacionar frotas devido a lockdowns e queda na demanda. Três das maiores aéreas da região, incluindo a Avianca, entraram com pedido de falência. Em maio, a Avianca e a Gol disseram que se uniriam sob uma estrutura comum chamada Abra Group.

À medida que as restrições de mobilidade diminuíram, a demanda por viagens aéreas disparou e os títulos de aéreas se recuperaram. As dívidas em dólares da Gol e da Azul quase apagaram as perdas da pandemia e se mantiveram estáveis durante a maior parte de 2021, até cairem novamente nos últimos meses, à medida que as preocupações com o crescimento aumentaram e as moedas latino-americanas se desvalorizaram.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos