Mercado abrirá em 32 mins
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,42
    +0,39 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.918,90
    -10,60 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    12.986,53
    +1.929,52 (+17,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,42
    +16,53 (+6,75%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.781,07
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.678,00
    -13,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6413
    -0,0087 (-0,13%)
     

Piores malwares de setembro: Emotet continua liderando e Valak inaugura na lista

Ramon de Souza
·2 minutos de leitura

Como de praxe, os pesquisadores da Check Point acabam de divulgar o seu Índice Global de Ameaças, relatório mensal que lista os malwares mais populares e perigosos utilizados por criminosos cibernéticos ao redor do globo. Ao longo do último mês de setembro, o trono de ouro seguiu sendo do Emotet — uma botnet que é amplamente empregada para distribuir outros tipos de vírus, sendo, na maioria das vezes, inofensiva por si só.

O destaque fica para o estreante Valak, que nunca havia figurado no ranking e já chegou em nono lugar. Identificado pela primeira vez em 2019, o malware originalmente também só servia para entregar outras cargas maliciosas; porém, nos últimos meses, ele ganhou novos recursos para roubar informações pessoais e espionar empresas através da coleta de dados do Microsoft Exchange.

Vale observar também que o Qbot, trojan bancário que apareceu pela primeira vez na lista do mês passado em décimo lugar, já subiu para a sexta posição em apenas um mês. Ele é capaz de roubar credenciais bancárias e vigiar suas conversas no Microsoft Outlook, criando campanhas de phishing altamente realistas usando como base conversas reais que você está tendo com seus contatos.

“Essas novas campanhas que espalham o Valak são mais um exemplo de como os atacantes visam maximizar seus investimentos em formas comprovadas de malware. Com as versões atualizadas do Qbot que surgiram em agosto, o Valak se destina a permitir o roubo de dados e credenciais em grande escala de organizações e indivíduos”, explica Maya Horowitz, diretora de inteligência de ameaças & pesquisa e produtos da Check Point.

“As empresas devem considerar a implementação de soluções antimalware que possam impedir que esse conteúdo chegue aos usuários finais e orientar seus funcionários a serem cautelosos ao abrir e-mails, mesmo quando eles parecem ser de uma fonte confiável”, finaliza a executiva.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: