Mercado fechará em 4 h 24 min
  • BOVESPA

    109.205,86
    -2.333,94 (-2,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.048,31
    +366,12 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,80
    +1,05 (+1,76%)
     
  • OURO

    1.711,30
    -22,30 (-1,29%)
     
  • BTC-USD

    50.796,75
    +1.240,74 (+2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.015,78
    +27,68 (+2,80%)
     
  • S&P500

    3.849,35
    -20,94 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.443,18
    +51,66 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.629,67
    +15,92 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.882,25
    -173,00 (-1,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9317
    +0,0696 (+1,01%)
     

Pioneiro em compras coletivas no Brasil, Peixe Urbano está fora do ar há duas semanas

BEATRIZ MONTESANTI
·3 minuto de leitura
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meados de janeiro, Ludmilla Almeida comprou dois cupons de descontos pelo site Peixe Urbano para realizar um procedimento estético. Ao todo, gastou R$ 50, mas só conseguiu utilizar um deles. Na semana passada, quando foi resgatar o segundo cupom, percebeu que a plataforma estava fora do ar. Tentou contato com a empresa pelo telefone, sem sucesso.

Levou a reclamação para a página nas redes sociais, e descobriu lá que não era a única. Já faz mais de duas semanas que o site da empresa de descontos está indisponível. Isso impede que consumidores resgatem vouchers já comprados, chequem informações, façam reclamações ou se comuniquem com os responsáveis.

Leia também:

No Twitter, as últimas postagens feitas pela conta oficial do Peixe Urbano são do dia 2 de fevereiro. Nelas, a empresa responde diretamente a usuários que reclamaram do problema, dizendo tratar-se de uma questão técnica, e orienta a todos aguardar. Mas desde então novas reclamações feitas pela plataforma tampouco tiveram retorno. Avisos sobre promoções não são feitos desde março de 2020.

Na quarta (10), o Procon-SP notificou a companhia, pedindo detalhes do problema técnico que teria tirado o site do ar, e questiona quais foram os canais de atendimento disponibilizados ao público no período de manutenção. Também exige um plano de atendimento para clientes que foram prejudicados nos últimos dias. O Peixe Urbano tem até o dia 18 para responder às demandas.

Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu. Sua página na rede profissional Linkedin informa que 754 pessoas trabalham na companhia. A reportagem fez contato com algumas delas, que disseram ainda estarem empregadas, mas preferiram não comentar sobre a situação. O Peixe Urbano surgiu em 2010 pelas mãos dos sócios Julio Vasconcellos, Alex Tabor e Emerson Andrade, sendo pioneiro na lógica de compras coletivas no Brasil -em que vendas são feitas com descontos para grupos online.

A partir daquele ano proliferaram portais do tipo e a startup chegou a ter participação acionária de Luciano Huck. O modelo se beneficiou do boom das redes sociais à época. Estabelecimentos comerciais também passaram a ver os portais do tipo como vitrine para fidelizar clientes. Nos últimos anos, no entanto, o sistema parece ter se esgotado em meio ao fortalecimento do ecommerce.

Em 2014, o Peixe Urbano passou a ser controlado pela chinesa Baidu, depois foi para as mãos do grupo Mountain Nazca, que fez a fusão da empresa com o americano Groupon na América Latina em 2017. Advogado do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Igor Marchetti diz que há um histórico de falta de informações quando empresas vão à falência, mas ainda não se sabe se esse é o caso do Peixe Urbano.

"O correto é que independentemente disso o Peixe Urbano continue fornecendo atendimento e dando a informação adequada para o consumidor conseguir instrumentalizar aquele voucher. A empresa certamente tem um cadastro de seus clientes e, mesmo que haja problemas técnicos, tem outros meios de contatá-los, por telefone, email, mala direta, o que for", diz.

Segundo ele, a violação é passível de multa e, dependendo do caso, intervenção administrativa. "Se for o caso de falência, o consumidor é o ente mais vulnerável, porque primeiro ela tem que arcar com processos trabalhistas, depois fiscais e, por último, os consumidores. Atualizá-los sobre os problemas e medidas tomadas é o mínimo", conclui.