Mercado abrirá em 9 h 3 min
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    -0,39 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.806,40
    +4,60 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    38.188,85
    +3.967,43 (+11,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,79
    +119,06 (+15,00%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    26.565,38
    -756,60 (-2,77%)
     
  • NIKKEI

    27.898,10
    +350,10 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    15.085,00
    -13,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1233
    +0,0017 (+0,03%)
     

Pintura do período barroco é restaurada por inteligência artificial

·1 minuto de leitura
Pintura do período barroco é restaurada por inteligência artificial
Pintura do período barroco é restaurada por inteligência artificial

A pintura “A Ronda Noturna”, obra do artista barroco holandês Rembrandt, foi restaurada por meio de inteligência artificial (IA), segundo informações divulgadas pelo Rijksmuseum, em Amsterdã, e a Associated Press.

A produção artística teve suas margens cortadas para caber em uma parede pequena, e assim permaneceu por séculos, até que pesquisadores do projeto “Operation Night Watch”, em alusão ao nome do quadro em inglês, conduziram o processo de restauração. O resultado pode ser conferido na imagem abaixo.

Leia também

Imagem mostra a pintura do estilo barroco "A Ronda Noturna", restaurada e ampliada por inteligência artificial
Versão restaurada de “A Ronda Noturna” traz novos detalhes à pintura de Rembrandt. Imagem: Rijksmuseum/Divulgação

“A Ronda Noturna” foi terminada por Rembrandt em 1642, ficando exposta – em sua versão completa – na casa da milícia que ela retrata em suas cores. Entretanto, 70 anos depois, ela foi movida para um novo local, onde as paredes não comportavam seu tamanho. Assim, tiras nas laterais, bem como partes do topo e do pé, foram cortadas, eliminando diversos detalhes da pintura.

“Rembrandt teria feito isso com mais beleza, mas isso chega bem perto”, disse o diretor do Rijksmuseum, Taco Dibbits.

O maior obstáculo do projeto residia no fato de que as tiras arrancadas se perderam com o tempo. Por sorte, uma versão miniaturizada da pintura original existia e, uma vez de posse dela, os pesquisadores do museu dedicaram dois anos ao treinamento de um modelo de IA, para que, por um processo de machine learning, ele se tornasse capaz de imitar o estilo do pintor falecido em 1669.

O resultado foi, então exposto no museu holandês para ser admirado pelos visitantes, mas uma versão digitalizada em alta resolução foi disponibilizada na página oficial do projeto, detalhando exatamente quais foram os ganhos do trabalho.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos