Mercado abrirá em 2 h 56 min

Pimco vê risco em previsões prematuras sobre pandemia e inflação

Ruth Liew
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um dos maiores riscos em 2021 é apostar que as vacinas acabarão rapidamente com a pandemia de coronavírus, segundo a Pacific Investment Management Co.

Com ativos atrelados ao crescimento perto ou em níveis recordes, “o maior risco é provavelmente o mercado precificar prematuramente o fim da pandemia”, disse Robert Mead, corresponsável de gestão de portfólio para Ásia-Pacífico da Pimco. “É fácil que os mercados se tornem otimistas demais.”

Além disso, Mead não vê riscos de uma explosão da inflação e das taxas de juros, enquanto permanece bastante otimista sobre as perspectivas de crescimento em economias desenvolvidas e emergentes neste ano. O gestor de ativos reflete sua visão com apostas em curvas de juros mais inclinadas na Austrália e nos EUA, embora suas posições tenham menos peso do que no ano passado.

A estratégia de Mead é baseada na premissa de que, embora as economias registrem certa aceleração dos preços, as metas de inflação permanecem teimosamente fora de alcance e os principais bancos centrais não devem aumentar os juros por pelo menos três a quatro anos. Sua opinião contrasta com o humor dos mercados nesta semana, quando operadores de títulos indicaram as expectativas de inflação mais altas dos últimos anos e com alertas da BlackRock e JPMorgan Asset Management sobre os riscos de alta dos preços.

“A inflação é algo para se pensar, mas não estamos preocupados com isso no horizonte de 12 meses”, disse Mead, de Sydney. “Não é como se pensássemos que as curvas de juros podem ser reprecificadas significativamente, porque temos bancos centrais observando e temendo uma mudança completa nos custos de financiamento em toda a economia.”

Steven Major, responsável global de pesquisa de renda fixa do HSBC e conhecido pelas apostas de ganhos dos títulos, também não acredita ainda na narrativa da reflação. Em relatório a clientes na quarta-feira, Major disse que o banco manteve as previsões para o rendimento de títulos no fim de ano - 0,75% para os títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA - e “olha além” das recentes oscilações nos mercados. Ele acrescentou que é surpreendente que o mercado agora espere que a inflação alcance a meta do Banco Central Europeu de cerca de 2%.

“É verdade que há maior incerteza sobre a inflação, mas parece estranho que o mercado tenha reprecificado para que o BCE atinja sua meta de inflação em um momento em que a quantidade de ociosidade da economia justifica a manutenção da política acomodativa.”

A Pimco reduziu as posições overweight em instrumentos indexados à inflação com a recuperação das taxas de equilíbrio desde o ano passado, “quando o mercado havia presumido que a inflação nunca mais retornaria”, disse Mead. “Já não são um investimento tão atraente como antes”, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.