Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,49
    -0,75 (-0,97%)
     
  • OURO

    1.740,80
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.175,09
    -299,78 (-1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,38
    -0,92 (-0,24%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.918,82
    -244,01 (-0,87%)
     
  • NASDAQ

    11.629,25
    +13,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5490
    -0,0002 (-0,00%)
     

Pill, do BC britânico, prevê ação "significativa" de política monetária em novembro

Vista do prédio do Banco da Inglaterra, em Londres, Reino Unido

Por David Milliken e Marc Jones

LONDRES (Reuters) - O Banco da Inglaterra deve dar uma "resposta de política monetária significativa" aos enormes cortes de impostos do ministro das Finanças, Kwasi Kwarteng, mas quer esperar até sua próxima reunião, agendada para novembro, antes de agir, disse o economista-chefe do banco, Huw Pill, nesta terça-feira.

Kwarteng, seguindo a promessa da nova primeira-ministra, Liz Truss, de varrer a "ortodoxia econômica", fez a libra despencar e os rendimentos dos títulos do governo britânico dispararem depois que anunciou cortes de impostos para impulsionar a economia na sexta-feira passada.

"Eu quero sinalizar claramente neste momento que, na minha opinião, a combinação de anúncios fiscais que vimos funcionará como um estímulo", disse Pill ao Fórum Internacional de Política Monetária Barclays-CEPR, em Londres.

"É difícil não chegar à conclusão de que isso exigirá uma resposta significativa de política monetária", disse ele, acrescentando que a agitação do mercado financeiro terá um grande impacto na economia e será levada em consideração nas próximas previsões do banco central.

Alguns investidores e economistas disseram que o banco central britânico deve realizar uma reunião de emergência agora e promover um grande aumento da taxa de juros para sustentar o valor da libra e limitar ainda mais a pressão inflacionária.

Pill reconheceu que a data de 3 de novembro do próximo anúncio de política monetária do banco parece muito distante, mas disse que é melhor para os bancos centrais adotar uma "abordagem mais ponderada, uma abordagem de frequência mais baixa".

Na segunda-feira, o presidente do banco central, Andrew Bailey, disse que a instituição "não hesitará" em aumentar os juros se necessário, mas acrescentou que o Comitê de Política Monetária fará uma avaliação completa da situação em sua reunião de novembro.

A libra tinha leve queda em relação ao dólar nesta terça-feira, um dia depois de atingir uma mínima recorde.

Os títulos do governo britânico, que sofreram sua maior liquidação em décadas na sexta e na segunda-feira, recuperaram algumas de suas perdas no início desta terça-feira, mas cederam terreno novamente após os comentários de Pill.

Pill disse que o mercado é "desafiador", mas sugeriu que o banco central não está preparado para interromper seu plano de vender títulos governamentais do enorme estoque de dívida que adquiriu como parte de seus esforços de estímulo desde o início da crise financeira global.

(Reportagem de David Milliken e Marca Cones)