Mercado abrirá em 7 h 19 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,46
    -0,50 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.773,50
    +3,00 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    63.955,77
    +1.289,76 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,10
    +17,74 (+1,21%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.125,96
    +338,75 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    29.312,56
    +97,04 (+0,33%)
     
  • NASDAQ

    15.380,50
    -18,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5171
    +0,0209 (+0,32%)
     

PicPay oferece troca de fotos, áudios e vídeos para reforçar lado social do app

·2 minuto de leitura

O aplicativo da fintech brasileira PicPay agora permite enviar fotos, vídeos e áudios via mensagem direta no chat. Pois é, assim como ocorre nas transferências via Pix, é possível bater papo entre uma transação e outra. Mas a diferença é que no Pix a função é um improviso do público, e no PicPay se tornou um recurso ativo em abril. Só em agosto, mais de 13,4 milhões de pagamentos renderam mensagens privadas no chat da empresa.

Esta, porém, não foi a primeira abordagem da fintech nas interações sociais. Desde 2016 há o feed para a pessoa postar atividades e interagir com os posts dos seus contatos. Além disso, desde 2013 o PicPay permite que pessoas paguem contatos incluindo uma mensagem. O novo recurso deve, assim, aumentar o engajamento com uma comunicação mais multimídia.

Segundo a empresa, clientes socialmente ativos no PicPay realizaram duas vezes mais transações do que os demais. Els também têm uma retenção maior, com 2,4 vezes mais chances de continuar usando o app, além de movimentarem 53% a mais que os "antissociais".

Luiz Fernando Diniz, diretor de social da PicPay (Imagem: Romulo Carvalho/Divulgação PicPay)
Luiz Fernando Diniz, diretor de social da PicPay (Imagem: Romulo Carvalho/Divulgação PicPay)

Outros dados da empresa sobre o chat é que mais de 80% dos participantes falam sobre pagamentos, enquanto mais de 20% trocam informações sobre outros assuntos em geral.

"A maioria dos pagamentos tem uma conversa por trás, seja antes ou após a transação, para combinar o jantar ou avisar quanto ficou a divisão da conta para cada um. Por isso, estamos investindo em simplificar essa experiência e aproximá-la do que as pessoas já estão acostumadas", destaca Luiz Fernando Diniz, diretor de social da PicPay.

No comunicado à imprensa, o PicPay diz assegurar a privacidade do público no chat, ao seguir padrões de segurança ainda mais altos do que os de mensageiros convencionais como o WhatsApp e Telegram, uasndo tecnologias similares às usadas para proteger contas em instituições financeiras.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos